Tamanho do texto

Estudo aponta que o comportamento das pessoas que usam tais máquinas é similar ao de alcoólatras e usuários de drogas

Organização Mundial de Saúde classifica o procedimento como cancerígeno
Getty Images/Photodisc
Organização Mundial de Saúde classifica o procedimento como cancerígeno
As máquinas de bronzeamento artificial podem provocar experiências negativas na atividade cerebral.

Tais reações são similares ao efeito gerado pelas drogas no cérebro , já identificadas em dependentes químicos, aponta nova pesquisa.

Os cientistas já suspeitavam que a exposição frequente à radiação ultravioleta apresentasse alto potencial de vício. O estudo é o primeiro a demonstrar o que ocorre no cérebro das pessoas durante a sessão de bronzeamento.

Siga o iG Saúde no Twitter

A descoberta mostra que várias partes do cérebro envolvidas na dependência química, foram ativadas quando os participantes foram expostos aos raios UV.

Os resultados, que serão publicados na próxima edição da revista científica Addiction Biology, ajuda a explicar porque algumas pessoas insistem em usar a técnica para bronzear a pele, apesar das contraindicações e da consciência de que o procedimento eleva as chances de desenvolver câncer de pele , provoca envelhecimento precoce e o aparecimento de rugas.

"O que isto mostra é que o cérebro responde à luz UV. Tal interação é vista em áreas que estão associadas ao mecanismo cerebral de recompensa", disse Bryon Adinoff, um dos autores do estudo e professor de psiquiatria da Southwestern Medical Center, na Universidade do Texas, nos EUA.

"As áreas ativadas no cérebro durante as sessões de bronzeamento são as mesmas que vemos em usuários de drogas ou no consumo excessivo de açúcar.”

Apesar de todos os alertas públicos sobre o câncer de pele e em especial o melanoma , o bronzeamento permanece popular. Aproximadamente 30 milhões de americanos buscam por clínicas que oferecem tal serviço durante o ano. A razão é bastante objetiva: os usuários assíduos preferem a pele bronzeada, independente dos riscos.

Nos últimos anos, os cientistas começaram a questionar o comportamento dos usuários de máquinas de bronzeamento. Ao ignorar os fatores de risco e investir na técnica, essas pessoas demonstravam um comportamento viciado.

Um estudo realizado em 2005 mostrou que grande parte das pessoas que gostam de tomar sol apresentam um comportamento similar ao de alcoólatras. A conclusão foi gerada por meio de testes similares aos que são aplicados para identificar a dependência alcoólica.

Mas Adinoff e seus colegas decidiram dar um passo a diante. Eles recrutaram um pequeno grupo de pessoas que faziam bronzeamento artificial em clínicas, ao menos três vezes por semana. Estas pessoas concordaram em receber uma injeção com um radioisótopo que monitoraria suas atividades cerebrais.

Em uma das ocasiões, os participantes fizeram uma sessão de bronzeamento normal, sem nenhuma alteração. Em outra ocasião, sem que fossem informados, eles foram submetidos a um filtro especial de bloqueio dos raios ultravioletas (UV).

As imagens cerebrais mostraram que durante as sessões de bronzeamento, enquanto os voluntários eram submetidos aos raios UV, áreas importantes do cérebro, todas ligadas ao vício, eram afetadas.

Os autores também encontraram evidências de que as pessoas que participaram do estudo reconheciam – ainda que de forma inconsciente – quando eles participavam de bronzeamentos artificiais normais e quando a substância usada era diferente. Isso porque, após o final de cada uma das sessões, eles reportavam maior satisfação quando eram usados os raios UV do que quando era usado o filtro bloqueador dos raios.

Filtro solar: ele protege mesmo!

“Todos gostaram mais da sessão com UV tradicional”, disse Adinoff. “Algumas pessoas foram capazes de dizer, durante a sessão, qual estava normal e qual não estava usando os raios bronzeadores.”

Adinoff afirmou que a pesquisa sugere que algumas pessoas são viciadas em bronzeamento, conclusão reforçada pela dificuldade de algumas em parar com a técnica mesmo que por períodos curtos. Ele disse que o estudo foi inspirado em uma colega, baseado na experiência dela com seus pacientes na área de dermatologia.

“Ela me contou que estava preocupada com os jovens adultos que apareciam em seu consultório com um bronzeado incrível”, conta ele.

“Ela tratava as lesões de câncer de pele nestes pacientes e eles, imediatamente, corriam para passar por novas sessões de bronzeamento.”

Siga lendo reportagens relacionadas:
Viciadas em procedimentos estéticos
Aprenda a cuidar da sua pele

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.