Tamanho do texto

Banhistas usam equipamentos públicos ou fazem exercícios no calçadão e na areia

Faça uma consulta simples: pare qualquer carioca na rua e pergunte sobre seu lugar favorito na cidade para praticar um exercício ao ar livre. Não tenha dúvida, vai dar orla na cabeça. O favoritismo do espaço apresenta razões que superam o visual da praia – seja do mar, do pôr do sol ou das “garotas de Ipanema” que circulam pela região. Claro que a brisa marítima é um atrativo a mais. E a oferta crescente de equipamentos de ginástica fixados no calçadão ajuda a atrair novos atletas.

“Malhar aqui é uma delícia, esse local é um playground de lazer”, atesta o músico Max Oliveira, de 32 anos, que há dois anos bate ponto diariamente nos equipamentos instalados na Praia do Diabo, vizinha ao Arpoador. “Chego umas 22h e fico aqui até meia-noite”, diz ele, que coleciona amigos no local. “A gente malha junto todos os dias, auxilia o outro, acaba por fazer amizades também”.

Entre os conhecidos de Max, o romeno Ady Boran conta que além de manter o corpo em forma, a frequência ao local o ajudou a melhorar seu português. “Esse astral dos brasileiros me prende aqui há três anos”, conta Boran, de 22 anos.

A turma de Max e Boran não é adepta do programa Rio Praia Maravilhosa, pelo qual a Prefeitura instalou 40 estações de alongamento e ginástica em seis unidades na orla da cidade (oito em Ipanema e seis em Copacabana). Eles malham com pesos fabricados pelos próprios frequentadores do Diabo, com a ajuda de cimento, barras de ferro e pneus. Rústico, mas funciona.

Contudo, os equipamentos municipais – que das 6h30 às 9h30 e das 18h às 21h contam com a supervisão de professores de educação física – têm se revelado sensação. “Estava saindo da praia e resolvi fazer um alongamento para esticar a coluna, é bom”, disse a turista argentina Betsabe Pap, de 27 anos. Professora de ciência política e lutadora de kung fu nas horas livres, ela diz que não dispensa uma oportunidade de “calibrar” os músculos.

E foi assim, en passant, que a acrobata Débora Melo, 24 anos, provou para um grupo de amigos com quem fora à praia que é capaz de fazer 10 barras consecutivas e deixar muito marmanjo no chinelo. “Eu vi o equipamento e disse que faria as barras. Os meninos não acreditaram, e eu ganhei a aposta”, brincou ela, dependurada no módulo inoxidável, instalado em uma área de 14 metros quadrados e com capacidade de atendimento simultâneo para quatro pessoas.

De patins a padle surf

As atividades esportivas na orla não se limitam a musculação ou alongamentos. Dos patins ao padle surf (também conhecido como surfe a remo), passando pelo skate, kite surf, corrida, caminhada e, claro, ciclismo, multiplicam-se os esportes praticados na orla.

“Saio de casa, em Botafogo, e vou até o Leblon. Depois, volto tudo em direção ao Leme, onde bebo uma água de coco antes de voltar para casa”, diz a instrumentadora cirúrgica Fernanda Fuccini, de 25 anos, sob o par de patins. No percurso Fernanda é acompanhada pelo namorado, o advogado Marcelo Lopes, que a segue de bicicleta.

Pelas areias, reinam o futevôlei, o frescobol e a polêmica altinha (para alguns, altinho – a questão não está resolvida), jogo em que os participantes ficam à beira d’água passando a bola para os pares sem deixá-la cair. “Jogo uns 40 minutos algumas vezes por semana. É puxado, por isso venho no fim da tarde, porque além de ser muito branco, não aguento o calor da manhã”, conta o estudante de filosofia Leonardo Giucci, de 21 anos, que divide a partida com o irmão Gabriel Giucci, de 24 anos, estudante de artes plásticas.

Benefícios

Especialistas afirmam que as atividades físicas na praia podem proporcionar um gasto calórico até 10% maior, já que o piso irregular da areia exige mais esforço físico. Porém, o personal trainer Fernando Béja, pós-graduado em Ciência do Treinamento Desportivo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), chama a atenção para cuidados simples que devem ser adotados na hora de praticar esportes ao ar livre.

O uso de barras, pranchas inclinadas e paralelas requer atenção: “O excesso de peso e os movimentos feitos de maneira incorreta podem ocasionar males à coluna e problemas articulares”, diz o personal trainer. “Há ainda pessoas que para aumentar o grau de esforço do exercício caminham alternando rosca bíceps, ou seja, alternando os braços, o que pode proporcionar uma elevação errônea de frequência cardíaca”, diz ele.

Béja também ressalta que o uso de caneleiras durante a corrida é outro equívoco grave. “Pode provocar danos em diversas partes do corpo, como joelho, tornozelo e calcanhar. Provavelmente, a patela será projetada para frente e a articulação do joelho será a primeira sofrer danos. A possibilidade de torcer o tornozelo é muito grande”, diz o professor de educação física.

Dicas simples

No site do programa Rio Praia Maravilhosa , a Prefeitura do Rio fornece dicas de especialistas sobre os exercícios na orla. Confira as dicas dos professores de educação física Ricardo Portella e Gustavo Masson:

Alongamentos: São exercícios voltados para o aumento da flexibilidade muscular, que promovem o estiramento das fibras musculares. Isto faz com que elas aumentem o seu comprimento. O principal efeito dos alongamentos é o aumento da flexibilidade, o que facilita a amplitude de movimentos e evita lesões durante a atividade física.

Ciclismo: Antes de iniciar um programa de “pedaladas”, escolha uma bicicleta que se adapte ao seu perfil. Se você gosta de velocidade, pedalar em pista lisa e asfalto, a melhor bike é a speed, bicicleta de corrida. Lembre-se é preciso usar capacete e banco com gel amortecedor para se proteger. Mas se o caso é subir na calçada, andar nas trilhas e variar as marchas da bike, escolha a mountain bike, que aguenta o tranco e pode alternar os tipos de terreno proporcionando um passeio ou treino confortável.

Correr na areia: A corrida na areia fortalece muito os músculos das pernas e tem um fator estético importante. Este tipo de atividade proporciona uma melhora rápida no condicionamento físico de pessoas que gostam de jogar vôlei, futebol, correr, nadar e pedalar. Para quem é adepto desta atividade, lembre-se de não cometer exageros ao treinar todos os dias. Procure ter descanso de um treino para o outro, isto pode promover maior restauração e recuperação para os outros treinos.

Corrida + caminhada: O treinamento físico, sobretudo exercícios aeróbicos, como corrida e caminha, produzem diversos benefícios para portadores de doenças coronarianas, bem como para aqueles que possuem algum fator de risco, como diabetes ou obesidade. Para quem deseja promover adaptações na regulação da função cardiovascular, como frequência cardíaca e da pressão arterial, o método ideal deve se caracterizar por atividades de maior duração e intensidade contínuas. Esse tipo de atividade proporciona melhora na função das veias e artérias, e a circulação sanguínea.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.