Tamanho do texto

Alongamento é fundamental, principalmente no inverno

Procure incorporar exercícios de alongamento no ambiente de trabalho
Thinkstock/Getty Images
Procure incorporar exercícios de alongamento no ambiente de trabalho
Alongar-se antes de depois dos exercícios costuma ser uma recomendação comum, dada por profissionais nas academias, logo no primeiro dia de malhação.

A orientação, embora seja necessária e correta, na visão de Pablius Braga, médico do Exercício e do Esporte do Hospital Nove de Julho de São Paulo, não deve ser limitada ao treino, principalmente no inverno.

O especialista explica que para quem não é atleta profissional, o alongamento deve ser incorporado ao longo do dia, e repetido sempre que possível. Segundo ele, a musculatura de quem trabalha muito tempo sentado, em frente ao computador, tende a encurtar. O alongamento feito apenas no pré-treino além de não esticar o grupo muscular, se mal feito, aumenta as chances de lesão.

“É uma questão de educação postural. As pessoas precisam incorporar a prática ao dia-a-dia, não apenas antes ou após de praticar uma atividade física. É um risco jogar a responsabilidade do alongamento apenas para o treino. Se ele for feito repetidas vezes, a musculatura se solta aos poucos e na hora do exercício já estará preparada.”

No frio, os vasos ficam menos dilatados e a musculatura mais retraída. O corpo demora mais tempo para esquentar. O aquecimento, somado ao alongamento constante, ajuda a prevenir possíveis fraturas e estiramentos, esclarece Braga.

Alongar o corpo não requer prática e tampouco habilidade. É preciso apenas cuidado e limites. Segundo o médico do Esporte, a técnica não pode provocar nenhum tipo de dor. “A dor pode ter um efeito reflexo negativo. Ao invés de relaxar o músculo, ele ficará mais contraído, podendo ocorrer lesões e prejudicando o desempenho da atividade física.”

Manter-se aquecido no inverno não blinda o organismo apenas contra as doenças respiratórias. É fundamental para evitar dores nas juntas, cãibras e encurtamento muscular. Christina Brito, fisiatra do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ensina que os tendões e músculos têm um conteúdo elástico importante. Aquecidos e com mais flexibilidade, ficam menos suscetíveis a rupturas.

Segundo a especialista, com o passar da idade essa necessidade se torna ainda maior. “Ao longo dos anos, vamos perdendo flexibilidade. Ficamos mais vulneráveis a dor, distúrbios biomecânicos, alterações posturais e retrações. É importante cuidar, manter uma vida ativa e alongamento constante.”

Cãimbras e frio

A escolha das roupas, tanto no dia-a-dia, quanto para praticar uma atividade física, no inverno, não tem apenas uma função estética. Estar aquecido é sinônimo de proteção. O corpo precisa do calor, principalmente para malhar, alertam os médicos.

As cãibras, embora sejam provocadas por diversos fatores, alguns ainda não desvendados, são mais freqüentes no frio. Não é lenda. Elas, de fato, costumam perturbar nas baixas temperaturas, afirma Braga.

“Falta de potássio e diversos fatores associados provocam cãibras. Ocorre um encurtamento muscular quando o corpo não está preparado para o tipo de movimento realizado. O frio pode causar e acentuar esse problema. É importante estar sempre aquecido para soltar a musculatura. O frio não pode ser incômodo para o organismo.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.