Tamanho do texto

Consulta identifica sinais sutis de doenças graves e também garante orientações para melhorar os cuidados com a pele

Por que um homem deve ir ao dermatologista? As mulheres têm o hábito há tempos, em grande parte por vaidade. Elas querem uma pele bonita e aparência jovem, mas cuidar da beleza não é a única função desta especialidade médica. A pele representa um indicador de saúde – e de doenças.

Muitos sinais são sutis, passam despercebidos pelo homem e podem avançar silenciosamente até desfechos fatais.

Manchas discretas na perna, por exemplo, podem indicar problemas vasculares. “Elas podem apontar até a presença de trombos, embora geralmente indiquem apenas que falta vascularização na região”, afirma a dermatologista Sara Bragança, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologista (SBD).

Homem precisa ter cuidados com a pele
Thinkstock Photos
Homem precisa ter cuidados com a pele
Essas manchas têm a vantagem de aparecer na batata da perna, local fácil de ser visualizado, mas outros problemas conseguem ser ainda mais discretos.

“O dermatologista faz uma inspeção no corpo e verifica áreas que o paciente normalmente não enxerga, como a sola do pé, as costas, o couro cabeludo”, conta.

A visita deve ser feita a cada seis meses, segundo a especialista, porque alguns problemas podem surgir e evoluir rapidamente. “Outro problema ignorado são as descamações no couro cabeludo. Pode ser psoríase”, alerta Sara. “ Nem toda queda de cabelo é calvície , ela pode estar acontecendo por alguma outra razão”, completa.

Câncer de pele

Entre todas as funções do dermatologista, a prevenção do câncer de pele é uma das mais importantes. Este tipo de tumor é o mais incidente no País, com expectativa de 110 mil novos casos por ano, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

A doença aparece com pequenas manchas ou feridas que não cicatrizam. Elas são resultados, na maioria das vezes, de exposição excessiva aos raios nocivos do sol . Os efeitos são cumulativos, uma soma da exposição sem proteção durante toda a vida.

Dos tumores de pele, o mais incidente é também o mais fácil de curar, desde que seja seguida uma regra básica de saúde: quanto antes for o diagnóstico, maior a chance de cura.

“Se a pessoa perceber alguma mancha que não tinha antes, ela não precisa esperar os seis meses para ir ao dermatologista”, afirma Sara.

Segundo o Inca, as manchas do câncer podem coçar, descamar ou sangrar. Elas mudam de cor, de tamanho e de forma. Se forem feridas, passam mais de quatro semanas sem cicatrizar. Existe um método chamado ABCD para facilitar o diagnóstico: Assimetria (metades diferentes), Bordas irregulares (contorno indefinido), Cor variável (várias cores na mesma pinta) e Diâmetro (mais que 6 mm).

Consulta 2 em 1

Pronto. Em poucos minutos o dermatologista já consegue fazer uma inspeção pelo corpo e identificar ou descartar marcas suspeitas. É um controle de saúde necessário, mas já que está lá mesmo, por que não aproveitar para descobrir como cuidar melhor da pele? Ela faz parte da apresentação pessoal, integra o "cartão de visitas".

“Os homens estão percebendo isso. Um paciente já me disse que queria cuidar da pele porque isso demonstraria aos seus clientes o tipo de profissional que ele é”, afirma a dermatologista Denise Steiner, presidente da Sociedade Brasileira para Estudos do Cabelo.

O dermatologista é capaz de identificar seu tipo de pele e as principais necessidades dela. A primeira dica para melhorar a aparência geralmente é um sabonete para o rosto. “A pele do rosto é mais sensível e resseca com mais facilidade quando é limpa com sabonete para o corpo”, explica Sara.

Os produtos específicos para o rosto retiram menos a gordura da pele, que é uma proteção para toda a cobertura do corpo. “Sem ela, é maior o risco de fungos ou de bactérias entrarem nos poros e causarem problemas”, adverte.

Produto 3 em 1

Homem não tem paciência para ficar passando creme no rosto. E menos tolerância ainda para lidar com cremes mais densos. O dermatologista precisa levar isso em consideração para reduzir as desistências ao tratamento. Sara, por exemplo, adotou a estratégia de prescrever um creme 3 em 1.

“Passo uma receita que tenha filtro solar, hidratante e propriedades rejuvenescedoras”, afirma. O método tem boa aceitação.

O produto, em primeiro lugar, é algo necessário. Não se trata apenas de vaidade, pois o uso constante de protetor solar representa a forma mais eficaz de prevenção contra o câncer de pele. É uma questão de saúde, e o dermatologista pode ensinar a forma correta de passar o protetor .

A dermatologista ressalta ainda que estão surgindo linhas de cosméticos específicas para homens, com cremes de rápida absorção e sem cheiros tão adocicados, frequentes em produtos femininos. Os produtos 3 em 1 podem ser feitos sob encomenda ou encontrados em fórmulas prontas de algumas marcas.

“Fórmulas manipuladas, às vezes, saem mais baratas que produtos disponíveis no mercado”, aponta Denise. Outra vantagem das fórmulas é que elas são mais personalizadas, feitas a partir da avaliação da pele do paciente.

“Identificar o tipo de pele é mais difícil do que parece. Um dermatologista consegue fazer isso com mais precisão e, assim, evita despesas desnecessárias com produtos não apropriados”, conta ela.

Mais dicas

Outro cuidado importante é com os produtos usados antes e depois de fazer a barba. “Se você olhar com uma lente, vai encontrar escoriações na pele do rosto”, afirma Sara. Isso é resultado do contato com a lâmina de barbear, mas há como reduzir os danos.

A médica recomenda um creme de barbear para reduzir o atrito, em vez do sabonete, e algum outro produto pós-barba. “Ele vai agir como antiséptico e calmante da pele”, explica. Existem diferentes produtos no mercado e, após avaliar a pele do paciente, o médico pode ajudá-lo na escolha.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.