Tamanho do texto

Quando o assunto é obesidade, perder peso com uma dieta pobre em carboidratos pode ser melhor para o coração

Dietas pobres em gordura e em carboidratos podem ser igualmente eficazes para ajudar adultos obesos a perderem peso. De acordo com um estudo divulgado esta semana, no entanto, quando comparadas as duas dietas, é o regime pobre em carboidratos que que oferece mais benefícios em relação ao risco de problemas cardiovasculares.

O estudo, publicado no periódico Anais de Medicina Interna, foi conduzido por uma equipe da Universidade de Temple, da Philadelphia, nos Estados Unidos, avaliou 307 obesos adultos de meia-idade que foram divididos aleatoriamente para receber os dois tipos de dieta, somadas a um programa de emagrecimento.

Dieta pobre em carboidratos oferece mais benefícios em relação ao risco de problemas cardiovasculares
Getty Images
Dieta pobre em carboidratos oferece mais benefícios em relação ao risco de problemas cardiovasculares
O grupo que recebeu a dieta low-carb (pobre em carboidratos) seguiu o plano de alimentação conhecido como Dieta da Proteína de Atkins, no qual os carboidratos foram limitados a 20 gramas diárias por 12 semanas. Depois dessa fase, estes participantes receberam gradualmente pequenas quantidades de frutas, grãos e laticínios. O grupo podia comer quantidades ilimitadas de gordura e proteína.

O grupo que recebeu a dieta low-fat (pobre em gorduras) teve a ingestão de calorias diárias limitadas entre 1.200 e 1800 – dependendo do sexo e do peso corporal inicial – sendo que 55% dessas calorias precisavam vir de carboidratos, 15% de proteínas e 30% de gorduras.

Ao cabo do primeiro ano, os dois grupos tiveram uma redução média de peso de 10 quilos. No segundo ano, foram cerca de 7 quilos. A equipe chefiada por Gary D. Foster concluiu que não houve diferenças significantes de perda de peso entre os dois grupos.

Nos primeiros seis meses do estudo, no entanto, a equipe que recebeu a dieta low-fat tomou a dianteira no quesito redução do colesterol ruim, o LDL. Os níveis de LDL deste grupo caíram, em média, 10mg por decilitro de sangue. No grupo que recebeu a dieta low-carb, os seis primeiros meses foram de aumento do LDL – provavelmente porque o consumo de gorduras e proteínas não foi limitado.

Ao final do segundo ano, os dois grupos haviam reduzido suas taxas de LDL a níveis semelhantes, assim como haviam experimentado redução das taxas de triglicérides e da pressão sistólica. No quesito colesterol bom, o HDL, a média de aumento para o grupo que comeu menos carboidratos foi de 8mg/dL e do que se alimentou com menos gorduras chegou a 5mg/dL.

“Ainda assim, os resultados não significam que para perder peso todo mundo precisa adotar a dieta pobre em carboidratos” afirmou Foster à Reuters.

“As duas dietas ajudaram as pessoas a perderem peso e a melhorarem os fatores de risco para doença cardíaca. O importante é escolher mudanças com as quais se consiga conviver a longo prazo.”

O pesquisador acrescentou que os resultados também foram influenciados por mudanças nos hábitos de vida dos participantes e não apenas pelo tipo de dieta adotada. Todos foram orientados a caminhar regularmente e aprenderam técnicas para manutenção do peso. Segundo Foster, fatores comportamentais também influenciam na perda de peso.

* Por Amy Norton

    Leia tudo sobre: dieta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.