Tamanho do texto

Veja como elas fazem para manter corpos definidos e bom condicionamento físico, exigências desse novo nicho

Nagila representa uma marca de suplementos alimentares e faz exercícios para as pernas com 250kg
Divulgação
Nagila representa uma marca de suplementos alimentares e faz exercícios para as pernas com 250kg
Na contramão das passarelas, entre esses modelos, quanto mais magro, menos trabalho. E a altura está longe de ser uma medida essencial. Tão importantes como os números de bíceps, tríceps, quadril, coxa e abdome, estão fôlego, agilidade e resistência muscular. Eles são os modelos fitness.

Faça o teste : Qual é a atividade física ideal para você?

Nagila Coelho, 33 anos, passou 15 horas fazendo exercícios pesados de musculação, intercalados com corrida. No dia anterior, não pôde tomar água para que os músculos ficassem mais aparentes. “Não é qualquer pessoa que aguentaria uma maratona dessa. É preciso condicionamento e disciplina”, relata.

Todo esse esforço tem um preço. Literalmente. Há cinco anos, a profissão de Nagila é um nicho que vem crescendo em torno da busca por corpos sarados para estrelar comerciais e campanhas variadas de academias de ginástica, suplementos alimentares, acessórios para musculação e roupas para esse mercado.

“Para ser fitness, não pode ser magra como no padrão fashion. Tem de ser sarada, mas sem exageros”, afirma Alexandre Castro, dono da agência de modelos Fitness Model, especializada nesse segmento. "Eles seguem uma preparação de atleta, mas não são esportistas profissionais. No entanto, são preparados para isso", revela.

“Acho que tenho um perfil diferenciado”, avalia Nagila. E tem mesmo. Não só pelo corpo de 1,74, 64kg e índice de gordura próximo de zero, definido com musculação intensa, mas também pelo trabalho aeróbio. Em uma campanha para uma marca de tênis, ela passou mais 12 horas correndo, subindo e descendo escadas para que o melhor ângulo fosse clicado. Os descansos eram raros e duravam 15 minutos, em média. “No fim do dia, estava exausta.”

Laryssa Queiroz, 22 anos, fez mais de mil movimentos de sobe e desce em um step para a propaganda de um aparelho. “Passei o dia inteiro fazendo ginástica, foi cansativo. Cada tentativa de filmagem eu repetia o exercício cem vezes”, conta. Mas esse não foi seu trabalho mais desgastante. Para a gravação de um comercial, chegou às 6h e foi liberada somente às 2h do dia seguinte. Durante todo o tempo, sua função era correr. “Só naquele dia devo ter percorrido mais de 20km. Para aparecer um segundo e meio na televisão”, ri.

Malhação e alimentação

Para não perder oportunidades de trabalho, o treinamento é diário e pesado. Entre as mulheres, pernas e glúteos bem delineados são construídos com levantamento de até 400kg. “Depende do exercício, forço um pouco mais, uns 20kg, mas faço séries menores com mais peso”, diz Laryssa.

Abdome
Divulgação
Abdome "trincado" garantiu emprego a Junior Moreno
Junior Moreno, 26 anos, é garoto propaganda de uma marca de aparelhos de musculação. Conseguiu o trabalho graças à capacidade de fazer 600 abdominais em uma hora e meia e, claro, ao resultado de tanta dedicação. “Queria ser modelo, mas não tinha perfil para desfiles, sou considerado baixinho. Minha dedicação à musculação me levou a essa profissão”, relata.

Assim como os colegas que enfrentam as passarelas, esses modelos também não podem descuidar da alimentação.

“Se sair do meu tipo físico, perco patrocínio ou campanha”, revela Nagila. Mas pular refeições ou comer apenas saladas está fora de cogitação.

“Alimentação e academia são partes importantes do meu trabalho”, completa. Devido ao treino intenso, a maioria costuma se alimentar a cada três horas e tomar suplementos de vitaminas.

“Não posso engordar ou emagrecer nem um centímetro”, afirma Laryssa, que é modelo de roupas de uma marca esportiva. As medidas dela servem como referência para o manequim 38, por isso a preocupação com a fita métrica.

No bolso

Outra diferença entre os modelos de passarela são os cachês. Como a categoria fitness ainda está em expansão, os valores não são tão inflacionados, nem mesmo para nomes mais conhecidos do circuito. Em um comercial para televisão, que vai exigir o dia inteiro de filmagem, o pagamento varia de R$1.500 a R$3.000. Sessões de fotos pagam de R$500 a R$1.000.

Além disso, há a limitação do tema. “Como não é sempre que aparece trabalho, eu também tenho outra profissão. Sou corretora de imóveis”, relata Laryssa. Junior é decorador e Nagila personal trainer.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.