Tamanho do texto

Pesquisa contesta percepção de que gordura localizada indica maior risco cardíaco

selo

Medidas de obesidade geral - como o Índice de Massa Corporal (IMC) - são tão boas para prever risco cardiovascular quanto estimativas de obesidade localizada - como a medida de circunferência abdominal.

É o que diz estudo da Universidade de Cambridge publicado na revista The Lancet.

O resultado contesta o consenso anterior, que afirma que a medida de circunferência abdominal prevê com uma precisão três vezes maior o risco de enfarte do miocárdio quando comparado às estimativas baseadas no IMC.

Leia sobre infarto
O infarto do novo século
Trânsito é o principal gatilho de infarto, mostra estudo
Sangue tipo O é associado a menor risco de infarto

A pesquisa avaliou informações sobre 221.934 pessoas, que participaram de 58 estudos de longo prazo. Os autores avaliaram o impacto de três variáveis comumente relacionadas ao surgimento de doenças cardiovasculares: a medida da circunferência do abdome, o IMC e a relação entre a medida do abdome e do quadril.

A conclusão foi que esses três fatores têm capacidade igual de determinar riscos cardiovasculares, desde que se levem em consideração dados adicionais sobre pressão sanguínea, histórico de diabetes e colesterol.

Leia sobre AVC
AVC: 90% dos riscos vêm de apenas 10 causas
Caminhada e menor risco de AVC
Nível elevado de triglicerídeos aumenta risco de AVC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.