Bem-Estar

enhanced by Google
 

Overtraining: o excesso que faz mal à saúde

Quando a relação entre exercícios e recuperação está desproporcional o desequilíbrio pode afetar o corpo todo

Bruno Folli, de Curitiba | 09/08/2010 14:53

Compartilhar:

Foto: Getty Images Ampliar

Mulheres: treino intenso demais pode interferir na menstruação e na absorção de cálcio pelos ossos

Exercícios fazem bem à saúde. Exercícios demais fazem mal. Essa é a regra básica para quem pretende começar ou já pratica algum esporte. Se as horas ou a intensidade do treino forem exageradas, há risco de overtraining.

O termo foi destaques do 22º Congresso Brasileiro de Medicina do Exercício e Esporte, que terminou sábado (7/8) e se refere a um desequilíbrio fisiológico que resulta em queda no rendimento e perda muscular, entre outros problemas.

Leia sobre cuidados com o exercício
Menstruação irregular e excesso de exercícios
Fratura por estresse atinge 25% dos corredores
Exercício na gravidez requer moderação

E o pior é que não existe uma fórmula de treinamento padrão para nenhum esporte, pois a dinâmica de cada organismo é muito particular. Ela varia de acordo com cada um, e também no decorrer da vida do esportista, seja ela amador ou profissional.

Treino e recuperação

O desequilíbrio do organismo acontece quando a relação entre treino e recuperação está desproporcional. A prática de qualquer esporte gera um desgaste no organismo, caracterizado por pequenas lesões, desidratação e até variações hormonais.

Leia sobre exercícios
Qual a atividade física ideal para você?
As vantagens e desvantagens de cada horário para malhar
Esteira absorve três vezes mais o impacto da corrida
Peso livre ou aparelho: o que é melhor na musculação?

Esse desgaste precisa ser recuperado com uma boa alimentação e tempo adequado de descanso. “É o princípio da super compensação”, esclarece Luiz Antônio Barcellos Crescente, professor de medicina do esporte na Universidade Luterana do Brasil e fisiologista do Sport Club Internacional, de Porto Alegre.

Se há equilíbrio nesta delicada equação, o esportista vai melhorar seu condicionamento físico. Dependendo do esporte, isso implica em ganho de massa muscular e de fôlego, além de melhor desempenho na atividade em si. Se há desequilíbrio, o corpo irá dar sinais de alerta.

Efeito cumulativo

A queda no desempenho do esportista é um dos primeiros e mais frequentes sinais do overtraining. “A pessoa estranha porque está fazendo os mesmos exercícios, mas se cansa mais rápido, como se estivesse realizando um esforço acima do normal”, descreve fisiologia do exercício Paulo Zogaib, professor da Unifesp.

Leia sobre suplementos
Malhação com energético
Creatina: aliada ou vilã?
Suplementos alimentares podem ajudar mulher a emagrecer

O overtraining aumenta o risco de irritabilidade, distúrbios do sono, perda de peso e dor muscular. Em alguns casos, o indivíduo chega a sofrer redução na coordenação motora. Este desequilíbrio é aceito pelo organismo por pouco tempo, numa espécie de efeito cumulativo.

Se a linha do desgaste ultrapassar a capacidade que o corpo tem de enfrentá-lo, as consequências podem afetar importantes hormônios do corpo. Hormônio do crescimento e testosterona, por exemplo, ajudam a melhorar o desempenho físico. Já a cortizona é um importante anti-inflamatório, responsável pelo combate ao estresse dos exercícios. Mas se as doses liberadas forem altas demais, consequência do treino exagerado, o efeito delas também muda. “O hormônio começa a retirar materiais da massa magra e causa redução muscular”, explica Zogaib.

Mulheres

Como a liberação de hormônio do crescimento e de testosterona é menor na mulher, o desequilíbrio fisiológico acontece com mais facilidade. “O overtraining é mais comum em mulheres e crianças”, afirma o fisiologista do exercício.

Leia sobre alimentação
Frutas cítricas ajudam a emagrecer
Frutas secas concentram nutrientes
O lado negativo dos alimentos saudáveis
Como perder peso de forma inteligente

Alterações no ciclo menstrual podem ocorrer e desencadear um processo chamado de tríade da mulher atleta. Entre os riscos estão a interrupção da menstruação (amenorreia) e a redução da absorção de cálcio pelos ossos. Isso aumenta as chances de osteopenia, osteoporose e de fraturas por estresse.

E não adianta simplesmente reduzir a carga de treino, pois o efeito acumulado do desgaste físico requer uma ampla recuperação e reavaliação das condições de treino. “A alimentação precisa ser revisada e pode ser necessário adotar alguma forma de suplementação”, recomenda Zogaib.

Leia também
Exercícios em jejum: pode?
Hipertensão: exercício ajuda a reduzir medicação
Músculo também produz hormônios
Sedentarismo é epidemia, dizem especialistas

O ritmo de treino, após uma temporada de recuperação, tem de ser elaborado dentro de um plano que considere a condição física da pessoa e a evolução de sua resposta aos exercícios. Por isso, recomendam os médicos, é fundamental acompanhamento de um profissional de educação física em qualquer atividade.

Em academias, por exemplo, as avaliações físicas devem ser realizadas pelo menos a cada seis meses. Se a academia não oferecer este tipo de acompanhamento, ele pode ser feito com médicos especializados em medicina do esporte.

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo