Tamanho do texto

Grupo de ciclistas mulheres e assessoria esportiva feminina promovem a atividade física ao status de terapia coletiva

Grupo de mulheres corre em parque na zona sul da capital paulista
Divulgação
Grupo de mulheres corre em parque na zona sul da capital paulista
Uma espécie de identidade coletiva faz mulheres de 18 a 80 anos, que buscam no esporte alternativo uma pausa no dia-a-dia estressante, vestirem a camisa do 'time'. Embora tenham propostas diferentes, a assessoria esportiva Projeto Mulher e o grupo de ciclistas noturnos Saia na Noite têm a mesma identificação visual.

O uniforme é um mimo, um cuidado, como o esporte deve ser, defende Adriana Salles, diretora geral do Projeto Mulher. A proposta da assessoria é reunir mulheres ativas, multidisciplinares, em prol do bem-estar e da saúde.

Leia também: Futebol de salto alto

Em uma espécie de academia ao ar livre, 400 mulheres, dividas em 23 grupos por parques da cidade de São Paulo, trocam as tradicionais salas de musculação e a esteira, por treinos de ginástica localizada, corrida e alongamento.

A assessoria ainda oferece acompanhamento nutricional, e planilha de exercícios, para que as alunas possam manter o hábito saudável fora dos encontros semanais.

A proposta número um – e razão da procura – é emagrecer. Perder peso em grupo, porém, parece ser um espelho de sucesso. “A evolução dos grupos é visível. Todo mundo alcança o resultado junto, uma puxa a outra, acompanha o desenvolvimento. Para esse perfil de mulher, a estética é aliada do bem-estar e socialização.”

A restrição evita constrangimento e dá mais liberdade. Adriana revela que não importa o sobrepeso, ninguém está ali para competir, julgar o físico das colegas. As necessidades são semelhantes, não tem o exibicionismo das academias tradicionais.

E mais: Maré cheia de sereia

“Limitamos o número de alunas por turma. Somos uma boutique. Queremos qualidade, não volume. Todos os exercícios ao ar livre, contato com a natureza e o atendimento personalizado, olhar para cada aluna. Não somos padrão.”

Turismo esportivo

Com um objetivo menos profissional, o grupo Saia na Noite direciona o ciclismo só para as mulheres. A idéia é unir esporte e lazer em um grupo sem limites de idade, sem pré-requisitos. Basta saber pedalar e ter o equipamento – bike e capacete – para participar.

Teresa D'Aprile, fundadora do Saia na Noite, descobriu o nicho quando começou a usar a bike como meio de transporte, em 1990. Segundo ela, muitas amigas tinham vontade de praticar o esporte pela cidade, mas faltava coragem. “Naquela época, qualquer atividade que fugisse do padrão era encarada negativamente.”

Hoje, o grupo se reúne para um passeio semanal de comadres. A maioria, porém, não se conhece, mas a intimidade é criada logo na primeira pedalada. “A proposta é fazer uma atividade física, cuidar do corpo, conversar, conhecer a cidade. Muitas nunca passaram pelo Museu do Ipiranga”, revela Teresa.

Mais sobre mulheres e esporte:
Maré cheia de sereia
Futebol de salto alto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.