Tamanho do texto

O ritmo de andar seria capaz de indicar quanto tempo de vida pessoas idosas ainda terão pela frente

Forma de caminhar dá pistas sobre a saúde
Thinkstock Photos
Forma de caminhar dá pistas sobre a saúde
Na verdade, uma nova analise descobriu que uma formula que inclui a forma de caminhar foi capaz de prever o tempo de vida restante das pessoas mais velhas tão bem quanto análises que incluem condições de saúde como pressão arterial e doenças cardíacas.

A velocidade para andar talvez não projete perfeitamente o futuro da pessoa, mas os resultados mostram que há provas para sustentar a suposição comum de que os idosos não conseguem caminhar facilmente quando sua saúde está ruim, disse Stephanie Anne Studenski, especialista em geriatria da Universidade de Pittsburgh (EUA) e autora do estudo.

“De alguma forma, a capacidade de movimentar-se é um reflexo poderoso de saúde, vitalidade e expectativa de vida em adultos mais velhos”, disse Studenski. Parece óbvio, diz ela, que a maneira de se mover está diretamente relacionada com as condições de saúde.

"We have always implicitly used things like the capacity to move and the vigor of movement to get an impression of how people are doing as they age," she said. "’Uncle Joe still has a spring in his step.’ ’I’m worried about Grandma; she looks like she’s slowing down.’"

“Sempre usamos implicitamente a capacidade e o vigor dos movimentos para obter uma impressão de como está o envelhecimento da pessoa”, disse ela. “Tio Joe ainda tem uma mola em seu passo.’ 'Estou preocupado com a avó, parece que ela está desacelerando.” Mas a questão é: seria possível provar as hipóteses de investigação?

Em um novo relatório, publicado em 5 de janeiro no jornal da American Medical Association, Studenski e seus colegas combinaram e analisaram os resultados de nove estudos, envolvendo 34.485 pessoas com 65 anos ou mais. Os estudos, datados de 1986 à 2000, mediram a velocidade de andar das pessoas, entre outras coisas, e depois os acompanharam por 21 anos.

Os pesquisadores descobriram que a velocidade de caminhada esteve diretamente relacionada com a sobrevivência. Ou seja, quem anda mais rápido tende a viver mais tempo, e o oposto também é verdadeiro.

Professias baseadas em gênero, sexo e velocidade de caminhada foram tão precisas quanto referenciais amplamente confiáveis sobre as condições médicas da pessoa, como pressão arterial e problemas ligados à obesidade.

Velocidade ideal

Assim, seriam os caminhantes lentos condenados a uma morte prematura? “Absolutamente não”, disse Studenski. “Há claramente um grupo de pessoas que andam devagar e vive muito tempo”, disse ela. “Não é uma sentença de morte.”

Por outro lado, também não há provas de que você viverá mais tempo se aumentar a velocidade de caminhada. Ainda assim, andar em marcha lenta pode ser sinal de alerta. A velocidade da caminhada de 2,5 quilômetros por hora é muito bom, disse ela, enquanto 2,56 quilômetros por hora ou menos poderia ser uma indicação de problemas médicos.

Não são necessárias longas caminhadas, é possível avaliar a marcha de alguém em poucos metros. Matteo Cesari, especialista em geriatria, em Roma (Itália), apontou que a velocidade da marcha dá uma projeção de vida “estatisticamente justa.” Ainda assim, Cesari disse, os resultados são importantes porque proporcionam aos médicos uma ferramenta de medição.

“Com certeza, os médicos obtêm um bom referencial de seus pacientes apenas olhando para eles, mas essa avaliação ainda é subjetiva e não com base em uma avaliação padronizada”, disse Cesari. “Na verdade, a forma como o médico julga o estado geral de saúde do paciente pode variar. Ao testar a velocidade de marcha, usando os padrões promovidos por este estudo, todos os médicos serão capazes de chegar à mesma conclusão sobre o estado de saúde geral do paciente.”

*Por Randy Dotinga

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.