Ele pode ser causado por apneia, mas também aparece como uma disfunção isolada. Aparelho ortodôntico é uma alternativa

Problema pode estar nos dentes e é simples de ser resolvido
Getty Images/Photodisc
Problema pode estar nos dentes e é simples de ser resolvido
Todas as noites ele está lá. O barulho é insuportável, capaz de interromper o sono pesado de quem está ao lado. O ronco não é percebido por quem o produz, mas é um grande incômodo para quem escuta.

Apesar de representar, na maioria dos casos, um sintoma de apneia do sono, o barulho também pode ser um problema dentário.

A apneia do sono é uma síndrome que desorganiza os movimentos respiratórios. A obesidade é o fator mais comum para o problema, mas o crescimento das tonsilas (como se chamam agora as amígdalas), a obstrução nasal, malformações da mandíbula ou da faringe, tumores, ou falta de coordenação dos músculos respiratórios também estão entre as causas.

Segundo João Pereira dos Santos, cirurgião dentista da Associação Paulista de Cirurgião Dentistas (APCD), o ronco, quando não está associado à apneia, e não é ocasional – gerado por cansaço, consumo de bebida alcoólica ou obstrução nasal, provocada por gripes e resfriados – é conseqüência de problemas dentários e desarmonias faciais.

“O barulho é provocado quando há espaço reduzido ou obstruído para a passagem de ar nas vias respiratórias. Quem tem queixo pequeno (lembra do perfil do músico Noel Rosa?), tende a roncar. O barulho ocorre porque a musculatura da garganta, durante o sono, fica relaxada. O ar passa com força no palato mole (campainha) e o faz vibrar com uma intensidade maior.”

Aparelho deve ser usado todas as noites para acabar com o barulho incômodo
Divulgação
Aparelho deve ser usado todas as noites para acabar com o barulho incômodo
Contornar o problema é possível, mas requer o uso de um aparelho dentário móvel durante o sono. O aparato elimina o sintoma, mas não corrige as desarmonias da face.

“Não é um tratamento provisório, mas um aparelho que elimina o barulho, corrige o sintoma e deve ser usado todas as noites. Sem ele, o paciente volta a roncar.”

Outra forma mais agressiva e permanente, explica o especialista, é o procedimento cirúrgico. Para isso, é necessário identificar o local da obstrução da via área – nariz ou garganta – e corrigi-la.

O uso de aparelhos ortodônticos é uma alternativa de prevenção eficaz, principalmente em crianças. "Nelas, o resultado é ainda mais eficiente, a melhora é de 70%.”

Na menopausa, elas roncam mais

João Pereira dos Santos revela que o ronco é mais prevalente nos homens. Os índices só ficam equilibrados quando a mulher atinge a menopausa. O especialista explica que nesse período, no organismo feminino, ocorre uma substituição de tecido muscular por gorduroso. Esse processo também acontece na garganta, obstruindo a passagem do ar.

“É uma mudança hormonal, fisiológica. Aumenta o diâmetro do pescoço, a gordura acumulada fecha o espaço da garganta e é preciso respirar com mais força, fazendo vibrar e roncar mais.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.