Tamanho do texto

Estudos comprovam: equilíbrio espiritual da prática pode realmente melhorar a saúde

Ioga: benefícios comprovados para a saúde
Getty Images
Ioga: benefícios comprovados para a saúde
A ioga pode estar se tornando mais um método convencional para lidar com os infortúnios de saúde. Há milênios a técnica vem sendo praticada para melhorar a força, a serenidade e o bem-estar. Entretanto, suas raízes na filosofia indiana sempre mantiveram a prática firmemente reservada ao domínio da medicina alternativa.

Porém, um conjunto crescente de evidências científicas vem consolidando o fato de que o equilíbrio espiritual criado pela ioga oferece benefícios comprovados para a saúde.

Pesquisas constataram que a ioga pode ajudar a lidar com uma vasta gama de problemas de saúde – desde dores nas costas, dores de cabeça crônicas, insônia, obesidade, torcicolo, enjoo e ansiedade até depressão e pressão alta – afirma Sat Bir Singh Khalsa, professor assistente da Escola de Medicina da Harvard e neurocientista associado da Divisão de Medicina do Sono do Brigham and Women’s Hospital, de Boston (EUA). Khalsa explica que os benefícios para a saúde são provenientes, principalmente, do foco da ioga na conexão entre corpo e mente.

“A principal evidência realmente mostra que a ioga é benéfica para a redução do estresse, pois ajuda a lidar com os problemas. A prática melhora o estresse tanto no âmbito psicológico quanto no fisiológico”.

Segundo dados do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, a prática correta de ioga combina os seguintes elementos:

- Posturas físicas que devem ser mantidas por algum tempo antes do praticante fluir para a próxima postura

- Foco em técnicas de respiração que ajudam o praticante a desenvolver melhor consciência corporal

- Meditação e relaxamento profundo, que permitem ao praticante concentrar-se em sua espiritualidade

Para que o praticante consiga os melhores resultados para a saúde e o bem-estar, a prática deve incluir todos esses elementos, diz Karen Sherman, professora de epidemiologia do Centro de Estudos de Saúde da Escola de Saúde Pública da Universidade de Washington. Ela diz que, na verdade, os elementos estão entrelaçados. Por exemplo, as posturas físicas podem ajudar o corpo a tornar-se mais forte e flexível, mas uma prática de ioga focada apenas em posturas perde a intenção original.

“O objetivo das posturas é tornar o corpo forte o suficiente para que o praticante consiga ficar sentado durante horas de meditação, para sustentar o propósito espiritual”, diz Sherman.
Segundo ela, ao fortalecer o corpo, a ioga pode ajudar o praticante a lidar com dores e desconfortos físicos lhe ensinando a se mover de forma menos dolorosa e melhorando a habilidade do corpo de lidar com a dor e relaxar.

Khalsa diz que o relaxamento, a meditação e a respiração da ioga já demonstraram melhorar a sensação de bem-estar do praticante, além de serem um ótimo tratamento para a ansiedade e a depressão.
Ao diminuir o estresse, o ioga pode também estimular o sistema imunológico.

“Quando o estresse é reduzido, nosso corpo se torna mais saudável. E estando mais saudável, ele pode usar melhor suas próprias defesas”, explica.

A pesquisa de Khalsa demonstrou que a ioga pode ser muito útil para aqueles que estão passando por tratamentos contra o câncer.

“Estas pessoas estão em uma situação de estresse, pois o câncer é uma doença que ameaça a vida e tudo que se relaciona a ela é estressante. Mas, aliviar o estresse com a ioga pode melhorar a qualidade de vida do praticante, ajudando-o a lidar com as dificuldades da quimioterapia e da radioterapia."

O foco na consciência corporal também já demonstrou ajudar na luta contra a obesidade. Pesquisadores do Centro Fred Htchinson de Pesquisa do Câncer, com sede em Seattle, constataram que praticantes de ioga conseguem controlar melhor o peso corporal e têm, em média, um Índice de Massa Corporal (IMC) mais baixo do que os não praticantes.

Entretanto, não foi comprovado que a ioga cura todos os males. Khalsa diz que algumas alegações em relação aos benefícios da técnica para a saúde ainda não têm comprovação científica, especialmente de que a prática pode ajudar a melhorar o funcionamento de determinados órgãos – como o pâncreas e o fígado.

“Nós ainda não sabemos, mas isso pode até ser verdade. Porém, será necessário realizar pesquisas”, disse.

Os interessados em melhorar a saúde por meio da ioga devem procurar por um professor experiente, que combine os três elementos principais da técnica, defendem Sherman e Khalsa.

“Devemos sempre procurar por um instrutor experiente, que siga os princípios tradicionais da ioga. Com a prática, devemos aprender a nos sintonizar com nosso corpo. Mover-nos com consciência, isso é ioga. Essa é uma habilidade que a maioria de nós precisa desenvolver”, disse Sherman.

Existem muitos estilos diferentes de ioga. Segundo Sherman e Khalsa, os mais adequados aos iniciantes são o kundalini, o viniioga e o Iyendar.

Os especialistas advertem que professores que enfatizam as posturas sem o foco na respiração e meditação devem ser evitados, especialmente se os mesmos pressionam os alunos a fazer posturas radicais.

A ioga pode causar lesões se o praticante for além de sua capacidade e tais contorções não têm muito a ver com a ligação corpo e mente que os praticantes buscam alcançar. É por esta razão que os especialistas recomendam iniciar a prática em um estúdio tradicional – e não em academias.

“Se posturas radicais e contorcionismo fossem sinais de um bom iogue, os integrantes do Circo Barnum & Bailey seriam os melhores iogues do mundo”, brinca Khalsa.

* Por Dennis Thompson

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.