Tamanho do texto

Ao remover uma tatuagem é bom saber que nem sempre o resultado é satisfatório. Maior dificuldade são as cores

Tatuagem: as coloridas são as mais difíceis de remover,dizem os especialistas
Getty Images
Tatuagem: as coloridas são as mais difíceis de remover,dizem os especialistas
Depois de quebrar a rotina e cravar aquele desenho tão esperado na pele vai que surge o arrependimento. Passada a empolgação pela nova tatuagem, e tomada a decisão de se livrar do desenho, é hora de preparar o bolso e moderar as expectativas. As opções não são muitas e tampouco baratas. E, o pior: nem sempre o resultado é satisfatório. Quem fez garante: vale a pena.

“O laser é a técnica mais eficiente e com menor risco de cicatriz”, diz a dermatologista Valéria Campos, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Leia também : Tatuados depois dos 40 anos

Sim. Atualmente a técnica mais indicada nos consultórios médicos é a do raio laser. Provoca dor , é cara, mas oferece efeitos colaterais mínimos e bons resultados. Na maioria das vezes, deixa manchas, como uma variação de cor do desenho ou uma cicatriz residual.

Você sabia que pode pegar aids e hepatite C fazendo uma tatuagem? Leia: O segredo para a tatuagem segura

“Os resultados são variáveis. Dependem da profundidade e da qualidade de tinta usada. Quanto mais superficial for a tatuagem, como as feitas por amadores, mais fácil será a remoção”, explicou o dermatologista Alexandre Filippo, também da SBD. “Normalmente a (tatuagem de cor) preta é mais fácil de retirar”, acrescenta o dermatologista.

De acordo com Filippo, pessoas com idade entre 25 e 40 anos, que fizeram suas tatuagens durante a adolescência, são as que mais se arrependem. “A procura é igual entre homens e mulheres. Mas as mulheres ganham quando o desejo é apagar nome de ex", revela.

Flávio e a tatuagem indesejada: arrependimento veio com a entrada no mercado de trabalho
Flavia Salme
Flávio e a tatuagem indesejada: arrependimento veio com a entrada no mercado de trabalho
O estudante de administração Flávio de Souza Vilar, de 27 anos, apelou ao laser para retirar uma tatuagem que fez quando tinha 13 anos e achava que o mundo se resumia a rock’n’roll. “Quando comecei a trabalhar vi a besteira que tinha feito”, diz ele, que estampa no corpo nada menos do que quatro tatuagens.

“Ano que vem, quando me formar, vou cortar o cabelo, tirar os piercings e me enquadrar. Mas essa tatuagem no antebraço é um problema.”

Leia também: Por que cada vez mais pessoas começam a se tatuar depois dos 40?

Cada sessão de remoção pode custar de R$ 350 a R$ 1.000, dependendo do tamanho do desenho. São recomendadas de dez a 15 sessões, com intervalo mínimo de um mês entre elas – isso vai depender da capacidade de cicatrização de cada um.

A primeira sessão de Flávio ( assista ao vídeo ) não durou cinco minutos. “Mas doeu bastante. Parece que está queimando a pele”, relatou. “Fazer a tatuagem foi mais fácil”, admitiu.

“O importante para quem inicia o tratamento é saber que as sessões podem ser muitas”, diz Valéria Campos. Neste período será preciso substituir o sol por pomada anti-inflamatória.

A maioria dos especialistas avisa que a remoção total é pouco provável. Depende de fatores como tamanho do desenho, local em que foi tatuado, tempo em que está na pele, resposta do organismo de cada paciente e o tipo de tinta. E essa é uma parte complicada do problema.

Leia: Evite arrependimentos e tome precauções ao fazer uma tatuagem

“A remoção total das tatuagens profissionais coloridas é muito mais complicada. Cores como verde, vermelho e amarelo são difíceis de serem ‘localizadas’ pelo laser. Mas os desenhos de cor preta podem ser 100% removidos”, afirmou Filippo.

Outra forma de apagar uma marca indesejada é com o cover-up, o que significa cobrir uma tatuagem antiga com uma nova. Mas se o incômodo for um desenho fora de moda, talvez valha a pena. Para quem optar por esse recurso, Filippo adverte:“A remoção de cover ups é muito mais complicada. É tinta sobre tinta.”

Famosos e ex-tatuados

Desde que deixaram de ser um estigma para ganharem status de tendência as tatuagens têm levado dezenas de estrelas do showbiz às páginas de notícias. Quem não lembra da paixão fulminante entre os atores Winona Rider e o Johnny Depp , furor que resultou em um “Winona for ever” tatuado no braço do rapaz? Finda a paixão, Depp transformou a declaração na afirmação: “Wino for ever” (algo como “bêbado para sempre”).

O amor acaba, mas a tatuagem fica: confira a história de famosos arrependidos

A super tatuada Angelina Jolie também já recorreu ao laser  para retirar do braço o nome de Billy Bob Thornton, seu ex-marido. No Brasil, a atriz Deborah Secco tatuou no pé: “Falcão, amor eterno, amor verdadeiro” durante seu affair com o músico Falcão. Superada a “eternidade” da paixão, a atriz passou a ser vista sem as marcas.

Alessandra Negrini , em vez de apelar para o laser, apostou no cover-up e transformou o nome do ex-marido, o cantor Otto, em “Amor” . Kelly Key entrou numa longa batalha para eliminar o rosto do ex-marido , o cantor Latino, da panturrilha. Outro caso bastante conhecido, e crônico, é o da dançarina Viviane Araújo, que embora já tenha se submetido a várias sessões de laser, ainda pena para se livrar da marca deixada pelo ex-amor.

Conheça os principais métodos de remoção de tatuagem:

Dermoabrasão – A pele é removida ou lixada com um instrumento rotativo de alta velocidade, como um disco abrasivo ou escova. Depois da cirurgia o paciente terá a sensação de que a pele foi severamente queimada. A cicatrização total ocorre em até 10 dias. A nova pele tem o tom rosa e gradualmente alcança a aparência normal entre 8 e 12 semanas. Após o procedimento será necessário usar protetor diariamente e evitar exposição direta ao sol por um período de até seis meses.

Excisão – Corresponde à retirada cirúrgica da pele tatuada. Posteriormente a pele é fechada por meio de pontos (mais indicado para pequenas tatuagens). Deixa cicatriz.

Laser – Ele “quebra" o pigmento em partículas, que são absorvidas e eliminadas pelo organismo. O objetivo é clarear a tatuagem um pouco, a cada sessão. Embora seja suportável, o tratamento apresenta desconfortos. É como se um elástico estivesse “batendo” repetidas vezes na pele. A sensação é de queimadura. Após cada sessão a pele pode apresentar casquinha que sai em até 10 dias. A partir daí, volta ao aspecto natural, com pigmentos de falhas na tatuagem após um período de 20 dias ou mais.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica

Siga lendo reportagens sobre Bem-Estar

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.