Tamanho do texto

Estudo questiona eficácia de calçados feitos sob medida para prática de atividades físicas

Alguns fabricantes de tênis nos Estados Unidos ajudam os atletas a escolherem o melhor tênis para eles considerando o formato dos pés, entre outros fatores.

Mas “simplesmente medir a morfologia dos pés com esse tipo de técnica não é suficiente para prescrever um calçado, se o objetivo for prevenir lesões”, disse o médico Bruce Jones à Reuters. Jones é um dos pesquisadores do estudo e gerencia o programa de prevenção a lesões no Comando de Saúde Pública do Exército Norte-Americano.

Estudo questiona a eficácia dos tênis feitos sob medida para correr
Thinkstock/Getty Images
Estudo questiona a eficácia dos tênis feitos sob medida para correr
O mercado de fabricantes de tênis oferece diferentes modelos para atletas. Alguns modelos são feitos com base nos movimentos de rotação dos pés e como os pés distribuem o peso do corpo ao tocar o chão – processo definido pelo termo pronação.

Pronadores têm pés que se movimentam muito na região interior em cada passo, enquanto na pisada os pés não tocam mais o chão com a parte de fora, podendo não dar a estabilidade suficiente.

Os tênis sob medida têm ajustes para as diferenças na pisada, com o objetivo de melhorar a forma de correr e ainda prevenir lesões.

Pronação é geralmente mensurada por uma pegada na superfície plana, que é analisada. Nela, é observado quanto do pé está em contato com o chão quando o atleta está parado em pé -- um método usado por muitas lojas especializadas em corrida.

Resultados parecidos

Mas, de acordo com o estudo, recrutas da Marinha que tiveram tênis sob medida feitos desta forma acabaram sofrendo lesões com tanta frequência quanto recrutas que recebiam um tênis básico, feito para atletas que têm a pisada neutra.

Joseph Knapik, um epidemiologista em Aberdeen (EUA), liderou o estudo com cerca de 1.400 recrutas da Marinha americana. Os recrutas, homens e mulheres, tiveram o formato dos pés analisados e foram designados para dois grupos.

Um grupo recebeu um tênis de corrida que foi projetado com o tipo de pisada de cada usuário. Membros do outro grupo receberam apenas pares de tênis para pisada neutra, a despeito do formato de seus pés e de sua pisada.

Então, os recrutas usaram seus tênis de corrida, alternadamente com as botas de combate, por 12 semanas de treinamento.

Durante o estudo, Knapik e seus colegas registraram diferentes tipos de lesões nos recrutas, incluindo lesões por excesso de uso e lesões nos tendões e ligamentos, assim como nos ossos e nos músculos.

De todas as maneiras, o grupo de estudo mensurou as lesões. Havia uma pequena diferença na frequência das lesões em membros de ambos os grupos. Isso se mostrou válido para homens e mulheres.

Ao todo, cerca de 42% dos homens que usaram tênis sob medida e 41% dos homens que usaram tênis para pisada normal sofreram lesões nas semanas de treinamento. Entre as mulheres, aproximadamente 37% das que usaram tênis para pisada normal e 45% das que usaram tênis sob medida tiveram lesões – uma diferença que não é estatisticamente significante.

Os resultados foram publicados em “The American Journal of Sports Medicine.”

A descoberta está de acordo com estudos similares que pesquisadores realizaram com recrutas do Exército e da Força Aérea. Quando eles combinaram dados de três estudos diferentes, ainda assim não havia diferença significativa nos índices de lesões.

Teste teria falhas

Uma explicação para a descoberta é que a técnica da pegada não funciona para fazer tênis sob medida, disse Joseph Hamill, cientista da Universidade de Massachusettes. “Não haverá prevenção das lesões quando se faz tênis a partir de medidas obtidas com a pessoa estática”, declarou Hamill, que não esteve envolvido com o estudo.

Para fazer uma análise mais completa, atletas precisam ser monitorados em movimento, com equipamentos mais especializados. Mas isso não é muito viável – por recrutas da Marinha nem por atletas convencionais. E Jones disse que não está claro se essa outra técnica de avaliação funcionaria.

“Não há evidência científica de que tirar medidas em movimento faça alguma diferença”, acrescentou. Isso pode ser porque as pessoas com diferentes pegadas sofram, de fato, lesões com frequência similar.

A mensagem aos corredores é que eles não devem se focar muito nos tipos de tênis sob medida. “Isso significa que você pode escolher o tênis que mais gosta e o faz sentir melhor”, disse.

O estudo teve apoio do Centro de Pesquisa Naval em Saúde. Os pesquisadores reportaram que eles não tiveram conflito de interesse no estudo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.