Tamanho do texto

A decisão foi tomada por temores de que o elemento químico afete o desenvolvimento e até possa causar câncer em crianças

selo

A União Europeia anunciou nesta quinta-feira (25) a proibição do elemento químico bisfenol-A em mamadeiras plásticas.

O bloco disse por meio de comunicado que a decisão foi tomada por temores de que o elemento, também conhecido como BPA, afete o desenvolvimento, o sistema imunológico e possa causar câncer em crianças pequenas.

A fabricação de mamadeiras com o bisfenol-A fica proibida a partir de março de 2011 e sua importação ou comercialização, a partir de junho.

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) permite o uso da substância desde que dentro do limite de 0,6mg para cada quilo de embalagem.

O Mercosul estabeleceu o limite, em 2008, por considerar que "dentro desse parâmetro a substância não oferece risco para a saúde da população", segundo a Anvisa.

A agência afirma que "acompanha a discussão e estudos internacionais sobre o tema" mas não tem previsão de reabrir o debate sobre o bisfenol.

A preocupação sobre o uso do bisfenol-A tem crescido internacionalmente.

O Canadá se tornou o primeiro país a tornar ilegal a substância, em setembro, apesar da oposição da indústria. França e Dinamarca baniram o bisfenol-A pouco depois.

O governo dinamarquês chegou a proibir o uso do produto em qualquer alimento para crianças de até três anos de idade. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.