Tamanho do texto

Empresária descobriu o problema aos 35 anos. Não se conformou e virou a mesa, desenvolvendo e vendendo produtos sem glúten

A empresária Marilis Maldonado descobriu a doença celíaca aos 35 anos. Com uma série de complicações, chegou a pesar 32 quilos e quase morreu por conta disso.

Mas Marilis não se entregou. Melhor, ela virou a mesa: hoje é proprietária de uma empresa que produz alimentos sem glúten. Para ela a maior vitória após ter descoberto a doença e ter sobrevivido diante a tantas rejeições foi a audácia de criar 30 produtos sem glúten para que os celíacos voltem a viver em grupo novamente. Aqui ela conta sua história.

Marilis Maldonado: de paciente celíaca a empresária
Divulgação
Marilis Maldonado: de paciente celíaca a empresária
“Eu sempre sofri de gastrite e tive o intestino preso. Mas às vezes tinha crises de diarreia. Também era anêmica. Em janeiro de 1996, após uma cirurgia para a retirada da vesícula biliar, comecei a ter fortes crises de diarreia e vômito. Em dezembro de 1996 cheguei a pesar 32 quilos. Um mês depois, com uma biópsia do intestino delgado, o diagnóstico de Doença Celíaca foi confirmado.

Leia mais:
Dossiê glúten

Nova advertência sobre o glúten
Glúten gera polêmica entre especialistas em nutrição
A dieta sem glúten, uma das chaves do sucesso de Djokovic?

Fiquei sabendo que, para o resto da vida, não poderia mais comer pão, macarrão, pizza, bolo, biscoito, bolacha, salgadinho, tomar cerveja ou uísque. O meu organismo é extremamente sensível ao glúten e em caso de ingestão de algum desses alimentos aquela crise poderia voltar rapidamente.

Após uma profunda depressão resolvi reagir. Comecei a estudar a doença e pesquisar receitas para que minha alimentação fosse a mais habitual possível, sem parecer uma dieta fora do comum.

Minha primeira batalha foi com o pão. Como substituir esse maravilhoso alimento após 35 anos de consumo? Fiz vários cursos, pesquisas e inúmeras experiências até que desenvolvi uma receita de pão que me agradasse. Mas não queria parar no pão. Não achava justo não ser convidada a encontros em bares com amigos, almoços em família e festas de aniversários só porque não podia consumir aqueles cereais proibidos.

Leia: Entenda a doença celíaca

Fiquei imaginando uma criança celíaca sendo obrigada a ficar em casa enquanto seus amiguinhos cantavam 'parabéns a você' e comiam salgadinhos e bolo de aniversário. Pensei nessa criança na escola, onde alguns professores insistem erroneamente em separar o celíaco dos outros alunos, só para que ele não veja aquela merenda de bolachas ou sanduíche. Nessa época, com apenas uma colaboradora, eu fiz a loucura de inventar 30 produtos sem glúten. Não apenas deu certo, como foi um sucesso.

Leia também: 10 histórias de superação na saúde

Hoje posso compartilhar os meus produtos com outros celíacos, pois trabalho em uma cozinha industrial exclusiva para a manipulação de alimentos sem glúten, produzindo doces e salgados sem a utilização de qualquer ingrediente que contenha trigo, aveia, centeio, cevada e malte. Sempre repito isso a quem partilha da minha situação: "Restrição alimentar, sim. Restrição social, não!”

Consulte:
Guia de Doenças
Guia de Exames

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.