Tamanho do texto

Ainda não atingiram a meta crianças de 2 a 5 anos e adultos de 30 a 39 anos

Criança é vacinada em posto de Saúde
AE
Criança é vacinada em posto de Saúde
O Brasil vacinou 80% do público-alvo para a estratégia de imunização contra a gripe H1N1, informou o Ministério da Saúde em balanço divulgado hoje (17).

Até as 18h desta quarta-feira (16), dos 92 milhões de pessoas nos grupos definidos como prioritários, 81 milhões já haviam recebido a vacina, segundo dados das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde. O número representa uma cobertura de 88% da população considerada como grupo de risco.

O total de pessoas imunizadas, até o momento, afirma o Governo, corresponde a 42% da população brasileira. O dado coloca o Brasil na condição de país que mais vacinou em termos de percentual da população total, superando o índice alcançado por países como Estados Unidos (26%), México (24%), Suíça (17%), Argentina (13%), Cuba (10%), França (8%) e Alemanha (6%).

“Os números mostram o sucesso da estratégia, uma vitória de todo o Sistema Único de Saúde e da sociedade brasileira. Agradecemos o esforço e o empenho dos vacinadores de todo o SUS, em cada um dos municípios brasileiros”, disse, em tom ufanista, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

Nos grupos populacionais específicos, a meta de vacinar pelo menos 80% do público-alvo foi atingida entre doentes crônicos, crianças menores de dois anos, adultos de 20 a 29 anos, trabalhadores de saúde e indígenas. Ainda não atingiram a meta o grupo de adultos de 30 a 39 anos (70% de cobertura), gestantes (73%) e crianças de dois anos a menores de cinco (40% de cobertura).

No caso das crianças menores de cinco anos, no entanto, a estimativa é que a cobertura seja maior. O Ministério da Saúde acredita que muitas delas podem ter se imunizado junto com a faixa etária dos menores de 2 anos, que atingiu 119% da cobertura. Parte das crianças menores de cinco anos também foi vacinada na etapa de doentes crônicos. Estima-se que cerca de 35% dos doentes crônicos de 2 a 9 anos estejam na faixa entre 2 e 4 anos.

Ainda segundo dados das Secretarias, a vacinação em gestantes, também foi dentro da expectativa do Governo. O público-alvo foi calculado com base na estimativa de nascimentos no SUS para todo o ano. O cálculo inclui gestantes que deram à luz antes da vacinação, as mulheres que vão engravidar após a vacinação e as gestações que não chegaram ao fim. O Ministério da Saúde recomenda que os municípios adotem estratégias, de acordo com a realidade local, para continuar vacinando os grupos que ainda estão com baixa cobertura.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.