Tamanho do texto

O mais recente raio-X da saúde do brasileiro mostra que três em cada dez sofrem algum tipo de doença crônica, como hipertensão, diabetes ou depressão. Apesar disso, a maioria não utiliza a principal arma para evitar este tipo de problema: 66% são sedentários e 70,9% não realizaram um único exercício físico nos últimos três meses.

A pesquisa suplemento saúde da Pnad 2008 foi feita pelo Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE). Foram entrevistadas mais de 190 mil pessoas, de todas as faixas etárias e classes econômicas, com dados das cinco regiões do País.

Para o Ministro da Saúde José Gomes Temporão um dos dados por trás do sedentarismo é que o brasileiro passa mais de três horas por dia em frente à televisão, conforme mostrou a pesquisa. Temos vários programas em andamento. O ministério tem repassado verbas aos municípios para a construção de espaços para a realização de atividades físicas", afirmou Temporão

Apesar de constatada a inatividade física dos brasileiros ¿ considerada pelos especialistas como um dos mais perigosos fatores de risco para o desenvolvimento de doenças ¿ a maior parte está satisfeita com a sua condição de saúde. Na autoavaliação solicitada pela enquete, 77,3% consideraram seu estado como muito bom ou bom, uma ligeira queda de dois pontos porcentuais comparada com a primeira edição da pesquisa Pnad. Em 1998, 79,1% não viam nenhum problema com seu quadro clínico.

Em direção contrária da diminuição do grupo que avaliou como totalmente positiva a sua condição de saúde, está o aumento da população coberta por plano de saúde. Na última década, diz a pesquisa, aumentaram de 24,5% para 26,3% os clientes das empresas privadas de saúde suplementar. A maior alta foi entre os moradores de áreas rurais.

Mais mamografia e visitas ao dentista

Também é maior o número de mulheres com 25 anos ou mais que realizaram o exame de mamografia, o mais indicado para a detecção do câncer de mama. Entre 2003 e 2008, o aumento de pacientes examinadas foi de 48,8%, chegando a 31,4 milhões de pessoas atendidas ao menos uma vez na vida. A cobertura de 54,5% de mamografia é mais do que o dobro da realização de exames para a detecção do câncer de colo de útero, que está em 25%.

A pesquisa Pnad mostra ainda que a população brasileira está mais preocupada com o sorriso. De 1998 para 2008, foi de 81,2% para 88,5% a parcela de pessoas que já haviam procurado o dentista. Entre os 11,7% da população que nunca consultou este profissional, 47,9% tinham de 0 a 4 anos de idade, ou seja, 77,9% das crianças desta faixa etária nunca visitaram um dentista.

Destacam-se nessa pesquisa uma ampliação do acesso à saúde bucal como resultado do programa Brasil Sorridente, além de um maior acesso à mamografia e ao exame papanicolau, embora ainda persistam diferenciais regionais e de renda que precisam ser enfrentadas, afirmou o ministro da saúde.

Cigarro e violência

Na contramão do maior cuidado com a saúde da boca, ainda são 17,2% os brasileiros que fumam, sendo a maioria homens (21,5% entre eles contra 13,2% delas). A boa notícia é que a turma de ex-fumantes soma 19 milhões de pessoas. O estudo investigou ainda a violência nas ruas e no tráfego. Os dados mostram 2% da população brasileira já sofreu algum tipo de violência, 2,5% estiveram envolvidas em acidentes de carro.

Colaborou Anderson Dezan

Leia também:

Leia mais sobre: Pnad

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.