Tamanho do texto

Cientistas brasileiros descobrem uma nova forma de monitorar pacientes em estado grave

selo

Cientistas brasileiros participaram de um estudo internacional que descobriu uma nova forma de monitorar pacientes com sepse - conjunto de manifestações graves em todo o organismo produzidas por uma infecção. Os resultados da pesquisa, publicados na revista Science Translational Medicine, também sugerem uma terapia: a administração da proteína hemopexina.

A sepse é responsável pela ocupação de 25% dos leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) no País, constituindo também a principal causa de morte nestas unidades - a doença mata 220 mil pessoas por ano no Brasil.

Os microrganismos costumam exaurir o sistema imunológico provocando uma inflamação generalizada. A resposta - mais do que a ação dos micróbios - piora o quadro clínico com queda da pressão arterial e falência de órgãos vitais. Ao lado de portugueses e norte-americanos, os brasileiros tentavam desvendar os mecanismos relacionados a uma reação tão desastrada.

A equipe do cientista português Miguel Soares, do Instituto Gulbenkian de Ciência, em Oeiras (Portugal), descobriu um culpado inesperado para a resposta descontrolada do organismo: a hemoglobina presente nos glóbulos vermelhos. A hemoglobina é a substância responsável por transportar o oxigênio do pulmão para os órgãos vitais por meio do sangue. Ela se associa a outras moléculas conhecidas como grupos hemes, que possuem um átomo de ferro e funcionam como anzóis para segurar moléculas de oxigênio.

Durante a infecção, os glóbulos vermelhos podem arrebentar e liberar a hemoglobina contida dentro deles, processo conhecido como hemólise. Solta, a hemoglobina transforma-se em uma ameaça. Em primeiro lugar, piora o processo inflamatório. Depois, perde os grupos hemes, que se tornam fonte de nutriente - ferro - para as bactérias e, além disso, são tóxicos para as células, levando a disfunções em diversos órgãos e, eventualmente, à morte. O artigo da Science Translational Medicine descreve a ação tóxica dos grupos hemes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.