Tamanho do texto

Os homens vão menos ao médico, têm menos informações sobre a presença de doenças crônicas e ainda assim avaliam gozar de melhor saúde do que as mulheres.

Estudo feito pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE evidencia que eles estão mais distantes das unidades médicas e dos exames clínicos e, talvez por isso, acreditam não sofrer problemas como diabetes, colesterol, hipertensão e depressão.

Pelos dados divulgados hoje, enquanto 79,4% da população masculina autoavalia sua saúde como boa ou muito boa, o mesmo índice recua 4,2 pontos porcentuais no recorte feminino ficando em 75,2%.

O contra-senso é que 48% das mulheres afirmaram ter visitado o médico no último ano e na parcela de homens o número cai para 42,7%. Entre eles, um em cada seis jamais esteve em um consultório.

Por terem melhor conhecimento de seu quadro clínico, 35,1% delas sabem que são portadoras de alguma doença, sendo que entre eles esta estatística está em 27,2%.

Um indício de que o número de homens que sofre de problemas cardiovasculares está subestimado aparece em outra parte da pesquisa. Eles são 21,5% de fumantes contra 13,2% de mulheres que têm o hábito de fumar. Sendo o cigarro um fator de risco, é improvável ser real a minoria masculina nos dados dos problemas de saúde.

Leia também:

Leia mais sobre: Pnad

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.