Tamanho do texto

Pesquisa investigou 10 mil pessoas e descobriu que um em cada cinco europeus carrega o gene do sono

selo

Homens com distúrbio do sono tinham 50% mais chances de ter impotência
Getty Images
Homens com distúrbio do sono tinham 50% mais chances de ter impotência
Especialistas europeus dizem ter encontrado um gene associado a uma maior necessidade de sono. Um estudo envolvendo mais de dez mil pessoas de diversos países europeus concluiu que os que possuem o gene ABCC9 precisam de cerca de 30 minutos a mais de sono por noite.

Segundo o estudo, publicado na revista científica Molecular Psychiatry, um em cada cinco europeus carrega o gene. Os pesquisadores da University of Edinburgh, na Escócia, e da Ludwig Maximilians University, em Munique, na Alemanha, dizem que a revelação pode ajudar a explicar comportamentos associados ao sono.

Conheça a Encilopédia da Saúde

Cada um dos participantes disse quantas horas dormia por noite e teve uma amostra de seu sangue colhida para análise de DNA. A necessidade de sono pode variar significativamente de uma pessoa para outra. A ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher, por exemplo, era conhecida por precisar de apenas quatro horas de sono por noite, enquanto o cientista Albert Einstein precisava de 11 horas.

Mosca de Fruta

O estudo envolveu pessoas das Ilhas Orkney, Croácia, Holanda, Itália, Estônia e Alemanha. Os pesquisadores queriam saber como era o padrão de sono dos participantes em dias livres, ou seja, quando não tinham de trabalhar ou tomar remédio para dormir. Ao comparar os dados sobre padrão de sono com os resultados da análise genética, eles concluíram que os participantes que possuíam a variante ABCC9 precisavam de mais tempo de sono do que a média de oito horas.

A equipe investigou então como esse gene influenciava o padrão de sono de moscas de fruta - que também carregam essa variante. Moscas sem o gene ABCC9 dormem três horas a menos do que as que carregam o gene, os pesquisadores constataram.

Energia

O gene ABCC9 atua como sensor de níveis de energia no corpo humano. Segundo os cientistas, o estudo abre um novo caminho em pesquisas sobre o sono. Eles dizem esperar que investigações futuras possam estabelecer exatamente como essa variante genética regula o tempo de sono necessário para cada indivíduo. O especialista Jim Wilson, da University of Edinburgh, disse: "Humanos dormem aproximadamente um terço de suas vidas".

"Com frequência, a tendência a dormir por períodos mais longos ou mais curtos é um traço de família, apesar do fato de que a quantidade de sono de que as pessoas precisam pode ser influenciada pela idade, latitude, estação do ano e ritmo circadiano (período de aproximadamente um dia - 24 horas - em que se baseia o ciclo biológico do corpo humano)", disse ele.

Veja mais:
Você é uma pessoa diurna ou noturna?
Conheça os principais distúrbios do sono
Pesquisa liga privação de sono a maior consumo de junk food

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.