Tamanho do texto

Quem ainda está em tratamento não pode cair na folia. Se a quimio já acabou, não há problemas

Lula e Gianecchini fazem tratamento contra câncer. Médicos aconselham a não pular carnaval
Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
Lula e Gianecchini fazem tratamento contra câncer. Médicos aconselham a não pular carnaval
A escola de samba Gaviões da Fiel vai levar ao Sambódromo um enredo que conta a história do ex-presidente Lula.

Mas se o homenageado pretende seguir à risca os cuidados médicos, ele não poderá cair na folia e nem comparecer ao desfile.

Leia mais: Gaviões 'rezam' para Lula aparecer

Ainda em tratamento contra um câncer na laringe, Lula precisa de ao menos dois meses de resguardo, sem frequentar locais com pessoas aglomeradas. A mesma recomendação vale para o ator Reynaldo Gianecchini, que acaba de fazer um autotransplante  para tentar a cura contra um linfoma.

Saiba tudo sobre a doença de Reynaldo Gianecchini

“A quimioterapia e a radioterapia – dois procedimentos que Lula enfrentou para tentar eliminar o tumor – debilitam o sistema imunológico do paciente”, diz o oncologista Leandro Ramos, especialista da clínica de Belo Horizontte Oncomed.

“Isso favorece infecções provocadas por vírus e bactérias e, em média, são recomendados dois meses distante de festas, badalações e locais aglomerados”, afirma o médico.

Dados: Em 2012, seis mil devem ter o câncer de Lula

A orientação de Ramos vale para doentes de qualquer tipo de câncer, como próstata , mama , ovário ou pulmão . Mas quando a doença afeta algum órgão localizado na região do pescoço – como é o caso de Lula – duas características da terapêutica anticâncer reforçam ainda mais a cautela.

“A maioria absoluta dos pacientes que fazem radioterapia na laringe, faringe, boca ou garganta acaba sofrendo de um efeito colateral chamado mucosite”, explica o presidente da Academia Brasileira de Laringologia e Voz, José Eduardo Pedroso.

Fono pós câncer: "Voltei a viver quando reaprendi a falar"

A mucosite é caracterizada por uma dificuldade acentuada, mas passageira, de falar e deglutir – engolir a comida. Por isso, neste período, a alimentação e a hidratação ficam prejudicadas, sendo necessárias sessões de fisioterapia. Comer bem e tomar muito líquido fica um pouco mais complicado nessa situação.

“É no mínimo um atrevimento pular carnaval quando estamos com esta sequela”, afirma Pedroso.

Máscaras

Para alguns pacientes, durante a quimioterapia e a radioterapia, os especialistas aconselham o uso de máscaras cirúrgicas para andar pela rua e pegar metrô ou ônibus, justamente para evitar infecções.

“Não é uma recomendação universal, varia de pessoa para pessoa”, explica o oncologista Leandro Ramos.

“Mas este acessório não é suficiente evitar a contaminação em um ambiente de festa como o carnaval. Não daria conta”, acrescenta.

Saiba mais: Pequeno dicionário dos tratamentos do câncer

Por isso, é preciso mesmo esperar a liberação médica para encarar a festa. “Agora se o câncer já estiver superado, o ciclo de quimioterapia e radioterapia terminado, não há restrições. Se o paciente estiver bem de saúde, pode curtir. Só não pode exagerar na comida e na bebida”, recomenda o médico.

Saiba mais

Carnaval
Getty Images
Carnaval

Calculadora de calorias: veja quanto você pode perder no carnaval

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.