Tamanho do texto

Reduzir pela metade o consumo de sal já seria o suficiente para diminuir em 15% dos casos de AVC e em 10% os de infarto

Hipertensão: medir a pressão é a única forma de confirmar o problema
Getty Images
Hipertensão: medir a pressão é a única forma de confirmar o problema
A cada ano, 315 mil pessoas morrem no Brasil por doenças cardiovasculares. Mais da metade dessas mortes, aponta a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), seria evitada com o diagnóstico precoce e o tratamento da hipertensão . E os especialistas vão mais longe no alerta:

“O brasileiro come, em média, de 12g a 15g de cloreto de sódio (sal) por dia. Se conseguisse diminuir esse total para 5g, isso seria suficiente para reduzir em 15% os casos de AVC (acidente vascular cerebral) e em 10% os casos de infarto” diz o cardiologista Carlos Alberto Machado, diretor de Promoção da Saúde Cardiovascular da SBC.

A influência do estilo de vida no surgimento da hipertensão, em especial da alimentação, inspirou o mote da campanha deste ano da entidade para o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, celebrado hoje (26).

Com o slogan “Menos sal, menos pressão, mais saúde” a SBC espera aumentar a conscientização sobre a importância de reduzir o consumo de sal na alimentação.

“Um pão francês tem 337mg de sódio. Ao comer três unidades você já comeu mais da metade que pode comer o dia todo. As pessoas precisam aprender a ler os rótulos dos alimentos e a escolher entre produtos semelhantes os que contêm menos sódio na composição” adverte o cardiologista.

Hoje a hipertensão atinge 30 milhões de brasileiros – cerca de 30% da população adulta. Desse total, a maioria sequer sabe que tem pressão alta e por isso não faz qualquer tipo de controle. Uma realidade, explica Machado, que interfere diretamente nas estatísticas de saúde do País, já que a hipertensão é responsável por 80% de todos os casos de AVC e 47% dos infartos, fatais ou não, em todo o mundo.

Siga o iG Saúde no Twitter

Mas, como identificar que algo não anda bem na pressão sanguínea e evitar que ela evolua para algo mais grave? Ao contrário do que muita gente pensa, os sintomas comumente associados à hipertensão – dor de cabeça, cansaço, tontura, sangramentos no nariz e pernas inchadas, entre outros – não podem ser considerados um indicativo da doença porque nem sempre há uma relação de causa e efeito entre a ocorrência deles e a hipertensão.

“A única forma de identificar pressão alta é fazer a medição. Para quem não tem problemas de saúde, a recomendação é ter a pressão medida a cada seis meses. Quem descobre que tem, deve procurar um médico e iniciar um acompanhamento que pode incluir mudanças no estilo de vida, na alimentação e, caso necessário, o uso de medicamentos.”

A pressão alta pode comprometer o funcionamento de todo o organismo, especialmente do coração, do cérebro, dos rins e dos olhos. Além contribuir para a ocorrência de infarto e AVC, a doença pode agravar os quadros de arritmia – alteração do ritmo normal do coração.

“Em pessoas que já têm arritmias, a hipertensão agravará de forma importante o quadro, fazendo com que a arritmia se manifeste mais frequentemente, em alguns casos, se torne crônica” explica o cardiologista Adalberto Lorga Filho, presidente da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC).

Continue lendo sobre o tema:
Conheça os mais variados tipos de sal
Sal de ervas é boa opção para reduzir sódio na comida
Mais potássio e menos sal para manter a saúde do coração

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.