Tamanho do texto

Pacientes que tomaram placebo melhoraram tanto quanto aqueles que estavam se submetendo ao tratamento

selo

Pacientes cardíacos com doença de Chagas que receberam injeções de células mononucleares - incluindo células-tronco - da própria medula óssea não tiveram melhora clínica detectável, segundo os primeiros resultados de um estudo nacional projetado para avaliar a eficácia de terapias celulares no tratamento de doenças do coração . Os pacientes até que melhoraram. O problema é que os que receberam só uma injeção de solução salina (placebo) melhoraram tanto quanto aqueles que receberam as células.

“Conclusão: injeção intracoronária de células mononucleares autólogas (do próprio paciente) extraídas da medula óssea não melhora a função do ventrículo esquerdo ou a qualidade de vida de pacientes com cardiomiopatia chagásica crônica”, decreta o estudo, publicado na edição mais recente da revista científica Circulation. O trabalho é assinado por 12 médicos e cientistas brasileiros, ligados a nove hospitais de São Paulo, Paraná, Goiás, Bahia e Pernambuco.

Trata-se de um dos quatro braços de estudo que compõem um grande projeto clínico sobre terapias celulares aplicadas ao coração, lançado em 2005, com financiamento do Ministério da Saúde e coordenado por Antônio Carlos Campos de Carvalho, do Instituto Nacional de Cardiologia e da Universidade Federal do Rio de Janeiro. As outras três linhas de pesquisa, ainda em andamento, são para cardiomiopatia dilatada, isquemia crônica e infarto agudo do miocárdio.

No caso dos chagásicos, o estudo envolveu 183 pacientes em estágio avançado da doença, com fração de ejeção menor que 35% (uma medida da capacidade do coração de bombear sangue). De todos eles, foram coletadas células mononucleares da medula óssea. Metade dos pacientes teve as células reinjetadas em suas artérias coronárias. A outra metade recebeu só uma injeção de solução salina.

Os pacientes foram selecionados aleatoriamente para cada grupo. Nem eles nem os médicos sabiam quem tinham recebido o que - células ou placebo - até o final do estudo. Todos receberam o mesmo tratamento padrão e foram acompanhados por pelo menos um ano.

Na média, 12 meses após a injeção, a fração de ejeção do grupo que recebeu as células aumentou de 26,1% para 29,6%. Enquanto no grupo placebo aumentou até um pouco mais, de 26,1% para 31,3%. “Não houve diferença de eficácia entre os grupos”, resumiu Carvalho, em entrevista ao Grupo Estado.

Segundo ele, o resultado não significa que a terapia celular esteja morta como opção para o tratamento de chagásicos. Significa, apenas, que ela não funcionou dessa maneira específica como o estudo foi feito.

Herton Escobar

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.