Tamanho do texto

Maior proporção de óbitos está concentrada na faixa etária de 40 a 44 anos, entre homens, e de 35 a 39 anos, para mulheres

O número de mortes em decorrência do vírus da aids no Estado de São Paulo está em queda. Se em 1995, ano de maior mortalidade em decorrência do vírus, ocorreram 7.739 casos fatais em todo o estado; em 2010 o número de casos caiu para menos da metade (3.141 eventos fatais).

Os dados foram divulgados hoje (16) pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), com base em informações obtidas pelo registro civil.

Leia: Mitos e verdades da aids

Segundo a Fundação Seade, entre 1985 e 2010, 97.494 pessoas morreram em decorrência da aids em todo o estado. Desse total, 72.033 eram homens.

“No início da década de 1990, a aids respondia por 1,5% do total de mortes de residentes no estado de São Paulo e passou a 3,4% em 1995, ano de pico da mortalidade da epidemia. Já em 2010, ela foi responsável por 1,2% dos óbitos”, diz a pesquisa.

A maior proporção de óbitos concentra-se atualmente na faixa etária de 40 a 44 anos, entre homens, e de 35 a 39 anos, para mulheres. Isso indica, segundo a Fundação Seade, um visível envelhecimento no padrão da mortalidade, já que em 1990 o maior número de mortes se concentrava no grupo de 30 a 34 anos, para homens, e de 25 a 29 anos, para mulheres.

Siga o iG Saúde no Twitter

Para a Fundação Seade, os avanços da terapia antirretroviral e a distribuição universal e gratuita dos medicamentos assegurada pelo Ministério da Saúde tem contribuído para aumentar a sobrevida e melhorar a qualidade de vida dos portadores do vírus da aids.

* Por Elaine Patricia Cruz

Continue lendo notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.