Tamanho do texto

Pesquisadores anunciaram ter descoberto que não há evidências médicas de que altas taxas de HDL reduzem o risco de infarto

Remédios: pesquisa questiona se o uso de remédios para aumentar o colesterol bom realmente vale o risco de efeitos colaterais
AFP / Getty Images / John Moore
Remédios: pesquisa questiona se o uso de remédios para aumentar o colesterol bom realmente vale o risco de efeitos colaterais
Cientistas questionaram, nesta quinta-feira, um dos grandes dogmas da medicina moderna: o de que níveis mais elevados de "bom" colesterol aumentariam automaticamente a saúde cardiovascular.

Saiba mais sobre colesterol alto no sangue

Em um estudo publicado na revista científica The Lancet, pesquisadores anunciaram ter descoberto que não há evidências médicas de que altas taxas de lipoproteínas de alta densidade (o tipo de colesterol conhecido como HDL, na sigla em inglês) diminuem o risco de infarto .

Concentrações elevadas de HDL são umas das principais taxas acompanhadas em exames de sangue. Elas são tão controladas quanto a manutenção de níveis reduzidos de "mau" colesterol (a lipoproteína de baixa densidade, ou LDL) como critério para o risco de obstrução das artérias.

Conheça o exame de colesterol

O estudo usou um método conhecido como randomização mendeliana para comparar o risco de infarto entre pessoas que herdaram boas variantes genéticas que renderam predisposição para taxas elevadas de HDL.

De acordo com a crença popular, esses indivíduos teriam menor risco de doença coronária. Contudo, a pesquisa, que contou com quase 12,5 mil pessoas com histórico de ataque cardíaco e mais de 41 mil saudáveis, mostrou que esse nem sempre era esse o caso.

Os resultados são importantes devido ao uso de certos medicamentos, muitas vezes administrados para aumentar os níveis do HDL, mas que podem causar efeitos colaterais.

Siga o iG Saúde no Twitter

"Esses resultados nos mostram que algumas formas de elevar o colesterol HDL podem não ajudar a reduzir o risco de infarto do miocárdio em seres humanos", explicou Sekar Kathiresan, do Hospital Geral de Massachusetts e da Faculdade de Medicina de Harvard.

"Dessa forma, se algum tipo de intervenção, como o uso de medicamentos, elevar o colesterol HDL, não podemos assumir automaticamente que o risco de infarto do miocárdio tenha diminuído", acrescentou.

Por outro lado, o estudo afirma que o colesterol "ruim" continua sendo um indicativo de risco cardíaco.

Um outro estudo, também publicado na edição desta quinta da The Lancet, confirmou os benefícios das estatinas, medicamentos que reduzem o colesterol LDL, para proteger pessoas sem histórico de doença cardiovascular.

Continue lendo notícias sobre saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.