Tamanho do texto

Droga, apresentada em congresso internacional, é menos tóxica e foi testada em 40 brasileiras

Quarenta brasileiras, em estágio avançado de câncer de mama “emprestaram” seus quadros clínicos para que a indústria farmacêutica elaborasse um novo medicamento contra a doença. Os resultados sobre a eficácia do novo remédio acabam de ser apresentados no Congresso Anual da Sociedade Americana de Oncologia (ASCO, sigla em inglês), que acontece até quarta-feira (6), em Chicago, nos Estados Unidos.

Siga o iG Saúde no Twitter 

As pacientes do Brasil estão entre as 991 mulheres do mundo todo que foram submetidas aos testes da nova droga, elaborada com a participação de 13 centros de atendimento brasileiros. O remédio é tido como um dos primeiros representantes dos tratamentos anticâncer do futuro, segundo avaliaram os experts envolvidos na produção do medicamento – ainda considerado experimental pelas agências reguladoras.

Especial: Saiba como são os remédios do futuro

De acordo com o estudo – visto pelos maiores especialistas do mundo reunidos no congresso desde o último sábado – a droga funciona como um GPS, mirando exclusivamente as células afetadas pelo câncer, fazendo com que a medicação só ataque a região doente e preserve outras partes do organismo.

Com esta ação direcionada do medicamento, os efeitos colaterais – principalmente enjoo e queda de cabelo – são reduzidos e o controle do câncer de mama é estendido por mais tempo, mesmo nas mulheres que, até então, não haviam respondido às terapêuticas padronizadas para agir nos estágios avançados do câncer – uma das condições para serem selecionadas para os testes clínicos.

Estatística: 40% das mulheres com diagnóstico de câncer de mama morrem

“O trastuzumabe emtansine (T-DM1) – nome do novo remédio – é o representante mais importante e viável desta nova geração de medicamentos oncológicos”, afirmou Carlos Bairros, oncologista do Hospital Mãe de Deus,em Porto Alegre, uma das referências nacionais no tratamento do câncer.

“Isso porque ele reúne dois mecanismos de ação. O primeiro é que a proteína existente em sua composição funciona como uma espécie de GPS mirando apenas as células cancerosas. O segundo é que o quimioterápico acoplado a este proteína tem efeito ‘cavalo de tróia’, ou seja só destrói a parte doente”, informa Bairros, que participou dos testes clínicos.

Vários tipos: Estudo inédito mapeia 10 tipos de diferentes de câncer de mama 

Ainda não aprovado

De acordo com o oncologista – porta-voz do Brasil sobre a nova droga – estas características tornam o T-DM1 menos tóxico, um dos calcanhares de Aquiles dos tratamentos contra o câncer existentes hoje.

“Das pacientes submetidas à terapia com o T-DM1, 43,6% tiveram os tumores reduzidos contra 30,8% das que receberam a terapia padrão”, informa o trabalho científico com os resultados da pesquisa.

Os resultados do estudo sugerem ainda que no grupo de mulheres tratadas com a nova droga 40,8% apresentaram efeitos colaterais graves, frente a 57% das submetidas à terapêutica padronizada para estágios avançados de câncer de mama.

Com base nos resultados deste estudo, a fabricante que patrocinou a pesquisa planeja apresentar pedidos de aprovação do T-DM1, ainda neste ano, para a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA), passos importantes para o ingresso de autorização do produto no Brasil. São as agências reguladoras que avaliam a consistência da análise, pedem mais informações, e também ponderam os efeitos a longo prazo da nova terapêutica. No entanto, ainda não há previsão para a droga entrar no mercado, processo que pode levar anos.

Tendência

Tornar o tratamento anticâncer menos tóxico e mais seguro aos pacientes é a mais recente tendência das farmacêuticas. A maioria das novas drogas apresentadas no ASCO, para os mais variados tipos de tumores malignos, tem como diferencial este mecanismo de ação.

Avanço da cura de câncer nas mãos de 2,5 mil pacientes

Os médicos estão ansiosos por estas novas terapêuticas, não apenas para aumentar a qualidade de vida dos pacientes, mas para terem um arsenal mais amplo de tratamento para quem chega ao diagnóstico já em fase avançada do câncer – realidade de 40% das mulheres brasileiras, que morrem no primeiro ano após constatarem que tem o câncer de mama .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.