Tamanho do texto

Teste em humanos começa em doses contra hepatite B e em breve pode substituir a agulha nas aplicações contra gripe, catapora e rotavírus

Vacinas do futuro devem aposentar a injeção
Getty Images
Vacinas do futuro devem aposentar a injeção

A gotinha indolor pode substituir de vez a injeção nas campanhas de vacinação em massa do futuro. O Brasil deu o primeiro passo em direção a esta realidade. Até o final do ano, começam os testes em humanos de um composto que transforma a dose injetável que protege contra a hepatite B em uma administrada por via oral.

A projeção é que o mesmo mecanismo de ação transformadora seja utilizado em vacinas contra a gripe , catapora , hepatite C e rotavírus , hoje aplicadas por meio da seringa e da agulha. Os criadores, em entrevista ao iG , afirmam que já estudam também adicionar a substância às vacinas que ainda estão em teste, como as da dengue , do HIV e do câncer .

Isso sugere que, quando chegarem ao mercado, elas também não causarão a dor da picada e a proteção contra estas doenças será possível via gotas.

Crianças vão receber vacina 5 em 1 a partir de agosto

“Nosso grande objetivo era facilitar a aplicação das vacinas em larga escala e diminuir os custos na rede pública”, afirma Ogari Pacheco, presidente do laboratório Cristália, entidade que desenvolveu a substância transformadora da vacina injetável para oral em parceria com o Instituto Butantan, que é do governo do Estado de São Paulo.

“Além de não provocar o incômodo da agulhada, a vantagem é que por ser oral é possível associar outros tipos de imunização na mesma dose”, afirmou Marcelo de Franco, diretor substituto do Butantan. Indolor e protetora contra o maior número possível de doenças são as duas principais características desejadas nas vacinas do futuro, dizem especialistas.

Leia aqui : Como devem ser as vacinas do futuro

Como funciona

As análises sobre a aplicação da substância transformadora da vacina contra a hepatite B são as que estão em fase mais avançada e, por isso, serão as primeiras a serem testadas em humanos. Até dezembro, as avaliações devem começar, mas ainda não há prazo para que cheguem à população.

A inovação foi possibilitada pela descoberta de um novo veículo, feito por meio de nanopartículas. Chamada de sílica nanoestruturada, a substância eleva a produção de anticorpos contra a doença, e não é anulada pela acidez do sistema gastrointestinal. Isso permite que ela alcance a corrente sanguínea, levando a proteção a todo organismo. Atualmente, com exceção da vacina contra a paralisia infantil, todas as outras são aplicadas via injeção por conta da ação do suco gástrico.

“Como a vacina contra a hepatite B já faz parte do calendário público de vacinas, decidimos ceder a patente de uso nesta dose para o governos federal e do Estado de São Paulo”, afirmou o presidente do laboratório Cristália. O acordo deve ser anunciado hoje à noite, em evento com a presença do ministro da Saúde, Alexandre Padilha e o governador paulista, Geraldo Alckmin.

Leia também:

Os remédios do futuro

Novo remédio do câncer de mama mira célula doente como GPS

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.