Tamanho do texto

Problema afeta aproximadamente 1 em cada 6 mulheres e 1 em cada 8 homens e é causa importante de faltas no trabalho

Uma a cada seis mulheres sofre de enxaqueca
Thinkstock/Getty Images
Uma a cada seis mulheres sofre de enxaqueca

Cientistas europeus e australianos indicaram no domingo ter localizado quatro novos genes associados à forma mais comum da enxaqueca, o que ressalta o caráter obrigatório da doença.

Siga o iG Saúde no Twitter

As variações genéticas foram detectadas no genoma de 4.800 pacientes de enxaqueca "sem aura" (sem sinais neurológicos precursores: transtornos visuais, por exemplo), a forma assumida por três em cada quatro casos de enxaqueca.

Leia mais sobre a enxaqueca na Enciclopédia da Saúde

Estas variações genéticas não foram encontradas, no entanto, no grupo de 7.000 pessoas livres da doença, disseram os pesquisadores.

O estudo também confirmou a existência de outros dois genes de predisposição, em um trio de genes já identificados em um trabalho anterior.

A enxaqueca afeta aproximadamente uma em cada seis mulheres e um em cada oito homens e é causa importante de faltas no trabalho.

Leia: Saiba como aliviar a dor da enxaqueca

Os novos genes identificados neste estudo reforçam o argumento segundo o qual a disfunção das moléculas responsáveis pela transmissão de sinais entre as células nervosas, no cérebro , contribui para o aparecimento da enxaqueca, disseram os pesquisadores.

Além disso, dois destes genes reforçam a hipótese de um possível papel das veias, e, portanto, das alterações do fluxo sanguíneo.

A pesquisa, publicada na revista especializada Nature Genetics, foi realizada por um consórcio internacional dedicado à pesquisa sobre a genética da enxaqueca (International Headache Genetics Consortium).

Leia mais notícias de Saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.