Tamanho do texto

Membrana especial separa o plasma e preserva os componentes importantes do sangue em separado, permitindo que eles sejam devolvidos ao paciente

BBC

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Strathclyde, na Escócia, desenvolveu um mecanismo para reaproveitar o sangue perdido pelo paciente durante a cirurgia.

A recuperação e o reaproveitamento do sangue de um paciente perdido durante uma grande cirurgia não é uma ideia nova. No entanto, o processo atual é complicado, demorado e caro.

Siga o iG Saúde no Twitter

O novo procedimento, batizado de Hemosep pelos cientistas de Glasgow, é mais direto e pode ser menos trabalhoso para reciclar o sangue do paciente durante a cirurgia. A técnica envolve uma máquina que agita o sangue. Mas, o elemento mais importante é uma bolsa de plástico especial para receber este material.

Sangue: nova técnica barateou o reaproveitamento do sangue perdido em cirurgias
BBC
Sangue: nova técnica barateou o reaproveitamento do sangue perdido em cirurgias

A bolsa funciona como uma esponja química que absorve o plasma que diluiu o sangue do paciente durante a operação. O componente mais importante da bolsa é uma membrana de policarbonato, que separa o plasma e preserva os componentes importantes do sangue em separado. Estas células concentradas podem voltar para o paciente.

Leia mais:  Estudo defende melhoria de teste em bolsas de sangue

O bioengenheiro líder da equipe de cientistas que desenvolveu o sistema, Terry Gourlay, afirma que o novo procedimento tem vários benefícios.

"É o seu sangue, em vez do sangue de outras fontes", afirmou o cientista à BBC.

Testes

O novo sistema criado pelos cientistas escoceses já foi usado em testes bem-sucedidos na Turquia, onde foi usado em mais de cem cirurgias cardíacas. Agora, o sistema será vendido na União Europeia em uma parceria entre a Universidade Strathclyde e uma companhia de aparelhos médicos. O uso do sistema também foi aprovado no Canadá.

Em cirurgias grandes, como uma operação cardíaca realizada com o peito do paciente aberto, a quantidade de sangue perdida é grande e é necessário muito sangue para repor o que foi perdido. A transfusão de sangue geralmente é a opção preferida pelos médicos mas, em uma minoria de casos, podem ocorrer reações adversas. E o custo de tudo isto é alto.

Leia também:  Demanda por sangue e derivados é cada vez maior, alerta OMS

"Sangue não é de graça, de forma nenhuma, e, na verdade, na América do Norte, os últimos estudos sugerem que uma unidade de sangue custa acima de US$ 1.600 (mais de R$ 3.200)", afirmou o professor Terry Gourlay.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.