Tamanho do texto

Suplementação de ácido fólico deve ser realizada um mês antes do planejamento da gravidez e nos três meses subsequentes

Ácido fólico: nova diretriz quer reduzir casos de anencefalia no País
Getty Images
Ácido fólico: nova diretriz quer reduzir casos de anencefalia no País

A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) decreta nesta quinta-feira (29) uma diretriz específica para a prevenção de anencefalia e espinha bífida aberta, duas malformações decorrentes de defeitos no fechamento do tubo neural no feto ainda em gestação.

Siga o iG Saúde no Twitter

A entidade recomendará a suplementação de ácido fólico na quantidade de 400 microgramas diários nos 30 dias antes da data que a mulher planeja engravidar e durante os três primeiros meses da gravidez , período em que o tubo neural está em formação.

No Brasil, seis a cada 10 mil bebês nascem com defeito no fechamento do tubo neural. Ainda não se sabe exatamente o que causa essa condição. No entanto, estudos comprovam que a ingestão dessa vitamina do complexo B é capaz de evitar 75% das ocorrências dessas malformações.

O tubo neural é a estrutura que dará origem ao sistema nervoso central do bebê. O fechamento inadequado na parte superior dessa estrutura leva à anencefalia, ausência de encéfalo, calota craniana e da pele que a recobre, provocando a morte do bebê.

Leia mais: 500 bebês sem cérebro nascem por ano no País

Porém, se a malformação ocorrer na parte inferior do tubo, o resultado é a espinha bífida aberta, que pode provocar a paralisia de membros inferiores, incontinência urinária e intestinal. Em ambos os casos, o tratamento tardio pode gerar diferentes graus de retardamento mental e dificuldades de aprendizagem escolar.

O ácido fólico atua no processo de multiplicação das células, na formação de proteínas estruturais e da hemoglobina. Sua forma natural, o folato, pode ser encontrada em vegetais de folhas verde-escuras, como couve, brócolis e espinafre.

Leia também: Hortaliças superpoderosas

Em 2002, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a adição de 4,2mg de ferro e de 150 µg de ácido fólico para cada 100g de farinhas de trigo e de milho, a fim de reduzir a ocorrência de anemia por deficiência de ferro e prevenir defeitos do tubo neural.

Leia mais notícias de saúde

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.