Tamanho do texto

Entidade não recomendou qualquer restrição em viagens, mas está investigando o comportamento do vírus

Reuters

Um novo vírus pertencente à mesma família do vírus da Sars, que matou 800 pessoas no mundo em 2002, foi identificado na Grã-Bretanha em um homem que havia recentemente estado na Arábia Saudita, informou a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Siga o iG Saúde no Twitter

O órgão de saúde da ONU, que emitiu um comunicado por meio de seu sistema de "resposta e alerta global" no domingo, disse que exames no paciente, um homem do Catar de 49 anos, confirmaram a presença de um novo, ou recente, coronavírus. Os coronavírus são uma grande família de vírus que incluem tanto a gripe comum como a Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave, na sigla em inglês).

"Dado que este é um recente coronavírus, a OMS está atualmente no processo para obter mais informações a fim de determinar as implicações na saúde pública", disse o comunicado da agência.

Leia: Estudo indica aeroporto de Nova York como grande disseminador de micróbios

A Sars apareceu na China em 2002 e matou cerca de 800 pessoas em todo mundo, antes de ser controlada. O diretor do Centro de Infecções Respiratórias da Faculdade Imperial de Londres, Peter Openshaw, disse que neste estágio parece ser improvável que o novo vírus seja preocupante, e pode ter sido identificado apenas por causa de sofisticadas técnicas de testes.

"Por enquanto, eu ficaria vigilante, mas não imediatamente preocupado", disse Openshaw à Reuters.

A OMS disse que o paciente do Catar havia sido inicialmente apresentado para os médicos no dia 3 de setembro com sintomas de uma aguda infecção respiratória. No dia 7 de setembro, ele foi admitido em uma unidade de tratamento intensivo (UTI) em Doha, no Catar, e no dia 11 de setembro foi transferido para a Grã-Bretanha por uma ambulância aérea.

"A Agência de Proteção de Saúde do Reino Unido conduziu testes de laboratório e confirmou a presença de um novo coronavírus", afirmou a OMS.

A OMS disse que não recomendava quaisquer restrições de viagens, mas que buscaria mais informações sobre o vírus.

* Por Kate Kelland

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.