Tamanho do texto

Associação de transplantes lança campanha para diminuir as seis recusas diárias de doação registradas no Brasil

Todos os dias, seis famílias dizem “não” para a doação de órgãos. Os dados são da Associação Nacional de Transplantes (ABTO) que lança hoje uma campanha para reverter as recusas que somam 63% entre os potenciais doadores do Brasil.

Saiba mais sobre transplantes

Segundo os dados divulgados, entre janeiro e junho deste ano, os hospitais de todo País identificaram 4.073 pacientes com diagnóstico de morte cerebral, que poderiam doar coração , pulmão , rim, fígado e pâncreas para salvar a vida das mais de 23.863 pessoas que estão na fila de espera. Deste total, somente 1.217 se tornaram doadores efetivos.

Veja o vídeo : A vida de quem espera um transplante

Foram 1.073 recusas,  uma média de seis por dia. Segundo o presidente da ABTO, José Medina Pestana, a recusa da família ainda é a principal barreira para a doação: Para combater esse cenário foi lançada a campanha "Doar não é um tabu. Conte para sua família. Conte com sua família".

Superação : De torneiro mecânico a recordista de transplantes no País

“O objetivo é estimular as famílias a conversarem abertamente sobre o assunto, sem preconceitos e sem medo”, afirma Medina.

Para ser um doador de órgãos hoje, basta manifestar esse desejo aos familiares, sem a necessidade de um registro formal no RG ou CNH.

Segundo o mapeamento feito pelo Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde os principais motivos de morte dos doadores são as causas externas (acidentes de carro, tiros, quedas) e os acidentes vasculares cerebrais (AVC) de pessoas jovens, com menos de 40 anos. Na análise dos especialistas, o fato de serem mortes inesperadas surpreende a família, pois não há tempo para refletir sobre o tema e optar pela decisão de doar os órgãos de um ente querido.

Além disso, o conceito de morte cerebral não é totalmente compreendido. O coração continua batendo, mas não há chance da pessoa recuperar as funções cognitivas, a fala, a respiração e a interação com meio. Em poucas horas, os batimentos cardíacos da vítima param, mas a espera inviabiliza a retirada do coração ou de qualquer outro órgão para o transplante em outro paciente.

INFOGRÁFICO: Veja o panorama de transplante no País e quanto tempo é necessário para a retirada dos órgãos serem efetivas

Leia sete histórias de quem sobreviveu graças à doação

1) Transplante salva recém-casada à beira da morte

Gustavo fez o transplante e continuou em tratamento. Hoje, aos 3 anos, ele está em plena recuperação
Guilherme Lara Campos/Fotoarena
Gustavo fez o transplante e continuou em tratamento. Hoje, aos 3 anos, ele está em plena recuperação

2) Gustavo fez transplante com 1 ano de vida graças a doação estrangeira

3) O coração de Eloá bate agora no peito de Maria Augusta

4) O menino que recebeu um rim e uma nova vida

5) Irmã foi planejada para ser doadora

6) Jeniffer venceu a leucemia

7) Onoelma fez transplante e engravidou

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.