Tamanho do texto

Levantamento mostra que os sete meses para novas drogas serem aprovadas subiram para 1 ano e 4 meses. Indústria culpa Anvisa pelo atraso

Indústria afirma que tempo de espera para novas drogas chegarem ao mercado aumentou
Getty Images
Indústria afirma que tempo de espera para novas drogas chegarem ao mercado aumentou

Estudo desenvolvido pela Associação de Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) atribui à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o aumento da demora para novos medicamentos chegarem ao mercado. A espera pode ser de dois anos.

Indústria recruta obesos para produzir remédios mais eficazes

Para a associação, que representa fabricantes de 78% dos medicamentos de referência (de marca) no Brasil, a Anvisa ampliou a burocracia.

O estudo, feito com base em dados disponíveis no sistema Datavisa (da Anvisa) entre agosto de 2011 e agosto de 2012 , concluiu que o tempo para a liberação do uso de remédios cresce  progressivamente.

De acordo com a Interfarma, para medicamentos novos, sem versões genéricas ou similares, o prazo de espera passou de sete meses para 1 ano e quatro meses, no período da pesquisa.

Os medicamentos biológicos, usados no tratamento de doenças como câncer e artrite reumatoide, podem demorar mais de um ano para terem a comercialização liberada pela Anvisa. Remédios similares e genéricos, alternativas mais baratas para o consumidor, são recordistas de espera, podendo chegar a dois anos na fila para conseguirem autorização.

Em reunião nesta quarta-feira (3) com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffman, representantes da Interfarma entregaram uma carta pedindo uma solução para a demora.

Saiba como são as remédios do futuro

Para a associação, o ponto crítico é a burocracia. “Temos muito orgulho do trabalho que vem sendo desenvolvido pela Anvisa e não queremos que a vigilância seja menor. Queremos mais vigilância sobre o essencial, que é o exame dos produtos e a inspeção de fábricas, com menor burocracia”, afirma, em nota, o presidente executivo da Interfarma, Antônio Britto.

A Associação Brasileira de Organizações Representativas de Pesquisas Clínicas (Abraco) também entrou no embate e fez uma pesquisa nos 40 estudos clínicos (pesquisas que avaliam a eficácia de novos fármacos) que aguardam aprovação no Brasil. 

Vacinas que não doem? Será possível no futuro

O levantamento revelou que, atualmente, 2.550 pacientes poderiam ser beneficiados e teriam chances de iniciarem o tratamento por meio da análise de novos medicamentos. Segundo a entidade, deste total, cerca de 200 são pacientes pediátricos e 290 precisam de medicamentos destinados a enfermidades raras e graves.

A análise mostra também que, das pesquisas ainda paradas, a maioria se destina a pacientes de oncologia (645 pacientes), seguida de cardiologia e diabetes tipo II (450), endocrinologia e metabolismo (431), infectologia (368), oftalmologia (175) e pneumologia (144).

Cura do câncer nas mãos de 2.500 pacientes

“Esse mapeamento é importante para alertar os órgãos competentes sobre a necessidade de agilizar a aprovação dos estudos, que hoje ainda é lenta por demorar quase um ano para ser iniciada. A morosidade é um dos principais entraves à realização de estudos clínicos com pacientes brasileiros”, afirma Daniel Lang, presidente da Abraco.

Procurada, a Anvisa ainda não se manifestou sobre o tema.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.