Tamanho do texto

Teste confirma gravidez, mas feto não se desenvolve. Conheça a condição que é uma das causas mais comuns de aborto espontâneo no primeiro trimestre da gestação

Para alguns casais, a alegria e a expectativa de uma nova vida que se forma é substituída pela frustração de saber que a gestação não foi adiante. Ainda assim, o teste de gravidez continua dando positivo e a mulher segue com todos os sintomas.

Veja no infográfico: As mudanças do corpo durante a gestação

É a situação enfrentada em caso de gravidez anembrionada – ou anembrionária. Popularmente conhecida como “ovo cego”, ela ocorre quando o óvulo fertilizado pelo espermatozoide se implanta no útero mas não se desenvolve. 

As células que deveriam dar origem ao embrião não conseguem terminar seu trabalho, gerando cromossomos a mais ou a menos. Apesar dessa disfunção, os hormônios da gravidez continuam sendo produzidos e o corpo não reconhece que o saco gestacional está, na verdade, vazio.

Untrassonografia: exame é capaz de detectar a ausência do embrião na gravidez anembrionada
Getty Images
Untrassonografia: exame é capaz de detectar a ausência do embrião na gravidez anembrionada

Normalmente, não há sintomas que indiquem o problema – eles só aparecem quando o aborto acontece espontaneamente. Até lá, a mulher continua se sentindo grávida, com sono e seios inchados e sensíveis. Geralmente, a mulher descobre o problema nas primeiras ultrassonografias .

O ginecologista e obstetra Cristiano Caetano Salazar, do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, explica que a gravidez anembrionada é uma das causas mais comuns de aborto espontâneo no primeiro trimestre de gravidez – cerca de 20% do total das gestações humanas resultam em aborto neste período.

O diagnóstico dessa condição ocorre por meio da ecografia transvaginal .

“Trata-se de uma gestação em fase inicial em que não detectamos a formação do embrião”, diz o obstetra. O médico esclarece que é mais comum encontrar alterações cromossômicas nesses embriões que não se desenvolvem do que naqueles que seguem a gestação até o fim – cerca de 89% das gestações anembrionadas têm alteração desse tipo.

Leia mais: Aborto espontâneo: luto no primeiro trimestre

Entre as causas listadas pelo especialista para uma gravidez anembrionada, estão a idade da mulher (superior aos 35 anos), o consumo frequente de álcool, o fumo, a exposição a algumas medicações, algumas doenças crônicas e história prévia de outros abortos espontâneos.

Outra explicação está ligada ao homem: espermatozoides com alterações cromossômicas também podem levar a uma gravidez sem embrião.

“Quando uma mulher já teve uma gravidez anembrionada a chance de acontecer novamente com ela é um pouco maior do que a chance de uma mulher que não passou por isso”, afirma o obstetra.

Leia mais: O relógio biológico da gravidez

O especialista em reprodução humana Nilo Frantz recebe em sua clínica casais que passaram por essa e outras situações que levaram ao aborto espontâneo. “A causa que leva uma mulher a abortar pode ser a mesma dela não conseguir engravidar com facilidade”, afirma Frantz.

Após descobrir que não há embrião, pode-se tomar dois caminhos: esperar por um aborto espontâneo ou fazer a curetagem. O médico sempre indicará o tratamento mais adequado para cada paciente. É o profissional quem vai orientar o tempo de espera para tentar engravidar novamente.

Especial: O Luto na maternidade

Leia mais notícias de saúde

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.