Tamanho do texto

Danielle Cassar se acidentou em um treino de patinação e hoje precisa de 30 doses diárias de remédios para dor, mas sonha desfilar: "Não podia passar a vida na tristeza"

BBC

O sonho da carreira de patinadora terminou, mas agora Danielle quer ser modelo. E já está na final do concurso
BBC
O sonho da carreira de patinadora terminou, mas agora Danielle quer ser modelo. E já está na final do concurso

Um acidente em uma pista de patinação, em 2009, pôs fim aos sonhos da jovem britânica Danielle Cassar e a deixou com um problema crônico no quadril - que sai do lugar até cinco vezes por dia.

Siga o iG Saúde no Twitter

Da cama do hospital, e sendo forçada a se deslocar usando muletas, Danielle, de 17 anos, decidiu se inscrever em uma competição britânica de modelos e acabou conseguindo passar para a final do concurso.

Leia outras histórias de superação na saúde:

Doença sem cura: Eu vivo, não conto tempo

De torneiro mecânico à recordista de transplante

Sucesso na internet paga tratamento de saúde

Danielle se acidentou durante um treino de patinação três anos atrás e danificou a cartilagem de seu quadril. Chegou a pensar que a queda não teria consequências graves, mas o acidente acabou pondo fim ao seu sonho de seguir a carreira de patinadora.

Após meses sofrendo dores, ela descobriu que havia desenvolvido a Síndrome Dolorosa Complexa Regional que a força a tomar até 30 doses diárias de analgésicos. O problema também provoca o deslocamento do quadril.

Leia mais:  Traumas fazem o corpo viciar em dor

'Arrasada'

"Fiquei arrasada quando recebi o diagnóstico, porque ele me impediria de patinar e provavelmente me faria andar de muletas pelo resto da vida", contou. "Mas sabia que não podia passar a minha vida na tristeza, e algumas amigas me convenceram a entrar no concurso de modelos."

A inscrição foi feita sem grandes expectativas, mas Danielle acabou passando à fase final da competição.

"Fico muito feliz que outras garotas poderão olhar para mim e pensar que, apesar de tudo o que a vida nos traz, você deve manter a cabeça erguida e se esforçar em tudo o que fizer", acrescentou.

Danielle complementa a medicação com sessões de fisioterapia e disse estar se acostumando com as dores. Agora, pensa em seguir a carreira de modelo, mas sem deixar de estudar.

"Gostei de fazer sessões de fotos e, se avançar na competição, é algo que penso em ter como uma carreira paralela no futuro", afirmou.

"Mas estou estudando no momento porque quero me tornar enfermeira, para trabalhar com pessoas que sofrem com problemas de saúde de longo prazo."

A mãe, Susan, disse que a autoestima da filha melhorou muito.

"Estamos orgulhosos da forma como ela enfrentou seu problema."

Leia mais notícias no Minha Saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.