Tamanho do texto

Nova pesquisa do IBGE indica que 4% da população entre 5 e 9 anos têm déficit de peso contra 33% que estão acima da média

Excesso de peso supera em 8 vezes desnutrição em crianças
Getty Images
Excesso de peso supera em 8 vezes desnutrição em crianças

Nova pesquisa do IBGE alerta que o excesso de peso supera em 8 vezes o índice de crianças desnutridas no Brasil.

Segundo a Síntese dos Indicadores Sociais divulgada nesta quarta-feira (9), 4% da população entre 5 e 9 anos apresenta déficit de massa corpórea contra 33%, na mesma faixa etária, que convive com peso excessivo para a altura.

Veja outros dados do IBGE:

Em uma década, índice de pessoas com carteira assinada aumenta de 45,3%

Quase metade das crianças vive sem saneamento

País atinge menor desigualdade em 30 anos

Ainda de acordo com os novos números do IBGE, com a progressão da idade, a diferença entre obesidade e desnutrição é repetida e a proporção de obesos aumenta consideravelmente: no grupo de10 a19 anos de idade, 20,5% estava com excesso de peso e 4,9% foram considerados obesos. Para os adultos de 20 anos ou mais de idade, esses percentuais chegaram a 49,0% e 14,8% respectivamente.

Especialistas já alertaram que o fato de meninos e meninas conviveram com a obesidade precoce faz com que eles apresentem, já na infância, doenças de idosos, como diabetes e problemas cardíacos.

A prevalência da obesidade em comparação à desnutrição representa uma mudança do perfil nutricional do brasileiro. Até o início da década de 80, o principal problema na infância era a baixa ingestão calórica que repercutia em déficit de crescimento e peso.

A obesidade, entretanto, não significa nutrição adequada. Os especialistas denominam este problema metabólico como “fome oculta”, já que as crianças obesas podem sofre de anemia, deficiência de cálcio e outras vitaminas, problemas também enfrentados pelos desnutridos.

Leia mais sobre anemia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.