Tamanho do texto

Avaliação médica é fundamental para avaliar razões da constipação intestinal. Veja em quais alimentos apostar para acelerar o intestino

A prisão de ventre afeta 27% da população mundial e pode ser sintoma de algum problema de saúde ou uma doença em si, explica a médica da Associação Americana de Gastroenterologia e professora da Universidade Federal de Minas Gerais, Maria do Carmo Friche Passos.

Leia:  Duas em cada três mulheres sobrem de prisão de ventre

Segundo a médica, pós-doutora em Harvard, uma parte dos casos de intestinos que não funcionam regularmente é referente a pacientes com diabetes e problemas na tireoide .

“A própria constipação intestinal é avaliada como uma síndrome, sem ter outra doença como causa. Em geral, ela é resultado de dieta inadequada, falta de exercícios físicos, problemas emocionais e outras dificuldades que impedem o trânsito intestinal normal”, explica.

Leia o alerta:  Conheça os riscos do uso frequente de laxantes

De acordo com a Associação Americana de Diabetes, as alterações hormonais que ocorrem nos diabéticos e entre os que convivem com deficiências na tireoide comprometem o movimento dos músculos do intestino, enrijecendo as fezes e tornando a prisão de ventre a complicação gastrointestinal mais comum nestes pacientes – 50% apresentam queixas.

Leia também:  Saiba quais são as principais doenças da tireoide

“Pessoas que não evacuam diariamente, sentem dores, inchaços e sangramentos na hora de evacuar precisam de uma avaliação clínica”, completa Maria do Carmo.

A automedicação contínua com laxantes ou chás pode mascarar os sintomas.

“Além disso, o uso exagerado pode fazer com que os laxantes percam o efeito desejado. Contamos com novidades no arsenal terapêutico que podem ajudar as pessoas. Mas essa indicação deve ser feita pelo médico não por um vizinho”, orienta.

Antes de pensar em remédios, é preciso repensar os hábitos de vida. A maior parte das causas da prisão de ventre está na dieta com pouca fibra e pouca água (menos de 2 litrospor dia) e no sedentarismo. Mexer o corpo, explicam os especialistas, promove a produção de substâncias químicas que aceleram as contrações intestinais.

Outro ponto que favorece o intestino preso é o hábito de ignorar os sinais de que o intestino quer funcionar. As mulheres são as que mais fazem isso e entre elas a prisão de ventre compromete até a vida sexual.

Veja em quais alimentos apostar

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.