Tamanho do texto

Estudo feito em Campinas (SP) e apresentado nos Estados Unidos mostrou que taxas de colesterol podem aumentar no inverno e diminuir no verão

Placa de colesterol dentro de uma artéria: pesquisa indica que taxas dessa gordura podem variar com a estação do ano
Thinkstock/Getty Images
Placa de colesterol dentro de uma artéria: pesquisa indica que taxas dessa gordura podem variar com a estação do ano

Os níveis de colesterol aumentam com a chegada do inverno e caem novamente na medida em que o calor retorna, aponta um novo estudo feito por pesquisadores brasileiros.

“No inverno, as pessoas devem ter mais cuidado com os próprios níveis de colesterol”, disse pesquisador Filipe Moura, estudante de doutorado na Universidade Estadual de Campinas.

Segundo ele, ainda não está claro se essas mudanças nos níveis de colesterol estão colocando pacientes em risco de ter ataques cardíacos ou acidentes vasculares cerebrais . É um quadro complexo e essas alterações podem ter algum papel, mas há muitos outros fatores que contribuem para essas ocorrências, acrescentou ele.

Leia mais sobre colesterol e triglicerídeos altos no sangue

Há várias razões possíveis para explicar por que o colesterol varia de acordo com a estação do ano, disse Moura, incluindo mudanças na dieta , exercícios e variações no tempo de exposição ao sol.

“No inverno, consomimos mais calorias e comemos alimentos mais gordurosos, que podem ter algum efeito sobre os níveis de colesterol ruim”, disse ele.

“Além disso, é comum que as pessoas façam menos exercícios durante o inverno e fiquem mais tempo dentro de casa.”

As pessoas também recebem menos sol no inverno e por isso produzem menos vitamina D, um fator que pode ter efeito sobre o colesterol. Moura também observou que durante o inverno as pessoas estão mais propensas a resfriados e gripes, o que também pode afetar os níveis de colesterol.

Os resultados do estudo foram apresentados no último fim de semana no encontro anual do Colégio Americano de Cardiologia, em São Francisco. Moura equipe coletaram dados de mais de 227.000 pessoas que tinham os níveis de colesterol controlados em centros de cuidados primários em Campinas entre 2008 e 2010.

Os pesquisadores descobriram que, durante o inverno, a lipoproteína de baixa densidade (LDL), também chamada de colesterol “ruim”, elevou-se em média 7 miligramas por decilitro de sangue em comparação com o verão, um aumento de 8% durante os meses frios. Durante os meses de calor, os níveis de lipoproteína de alta densidade (HDL), o colesterol “bom”, subiram cerca de 9% – assim como os níveis de triglicérides, que aumentaram cerca de 5%, segundo os pesquisadores.

Isso é diferente do que foi encontrado em outros estudos, disse Moura. Uma possível explicação seria o clima de Campinas. A altitude da cidade está entre 548 e 762 metros acima do nível do mar, e os invernos são, em geral, suaves e secos.

Moura disse que essas mudanças podem ser ainda mais extremas nos Estados Unidos, na Europa ou em outras áreas que têm maiores mudanças climáticas entre o inverno eo verão. Agora, ele planeja a olhar para pacientes com doença cardíaca para avaliar se a mudança sazonal nos níveis de colesterol de fato resulta em mais infartos.

++ FOTOS: 20 alimentos que ajudam a reduzir o colesterol

Para Gregg Fonarow, porta-voz da Associação Americana do Coração e professor de cardiologia na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, ainda não é possível saber o impacto dos resultados do estudo em pessoas com ou sem doença cardíaca.

“Este estudo sugere que pode haver uma variação sazonal modesta, com níveis mais altos de LDL no meses de inverno em relação ao verão, mas são necessários mais estudos para confirmar estes resultados e se há qualquer impacto significativo sobre o risco de doença cardiovascular”, disse Fonarow.

A equipe de pesquisadores ressaltou que o estudo foi apresentado em uma reunião médica e, com isso, os dados e conclusões devem ser vistos como preliminares até que o estudo seja divulgado em uma publicação científica revisada por pares.

* Por Steven Reinberg

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.