Tamanho do texto

Médica usa a fotografia para fazer campanha contra isolamento que marca pacientes infantis portadores de doenças de pele sem cura. Veja fotos

A dermatologista Régia Patriota uniu duas paixões para brigar contra o preconceito. Misturou fotografia à medicina e o resultado é a mostra “Além da Pele”, exposição que abre ao público nesta quinta (21) na Pinacoteca da Associação Paulista de Medicina, em São Paulo, e se encerra em 29 de maio.

Um dos retratos feito pela médica e fotógrafa Régia Patriota para alertar sobre o preconceito com as doenças de pele: na foto, uma criança com psoríase
Divulgação
Um dos retratos feito pela médica e fotógrafa Régia Patriota para alertar sobre o preconceito com as doenças de pele: na foto, uma criança com psoríase

Veja também:  Psoríase, vencendo o mal-estar

Os 16 retratos de pacientes infantis, portadores de doenças de pele sem cura, têm como objetivo dar o pontapé em uma campanha nacional para acabar com o isolamento social imposto a estes meninos e meninas.

Em exposição, médica mostra pacientes infantis com doença de pele sem cura para brigar contra o preconceito. Na imagem,uma garota albina
Divulgação
Em exposição, médica mostra pacientes infantis com doença de pele sem cura para brigar contra o preconceito. Na imagem,uma garota albina

“São crianças vivem presas em casa por causa do preconceito”, lamenta Régia.

“Tudo por causa dos problemas de pele hereditários, sem cura, mas nada contagiosos. Ainda assim, a sociedade rejeita, por desconhecer por tratar-se de um assunto escondido e pouco explorado. Ninguém chega perto.”

Estresse também se reflete na pele

Em entrevista ao iG , Régia afirmou acreditar que suas fotos – feitas inicialmente para o trabalho de conclusão do curso de fotografia na Escola Panamericana – podem desmitificar os tabus que cercam albinismo, psioríase, dermatite atópica, epidermólise bolhosa e ictiose, entre outros problemas de pele.

“Conheci as famílias destes garotos, que são extremamente amorosas.”

Leia mais:  Sol é um aliado da pele

Em close, Régia tenta flagrar o que é invisível aos olhos. “Meninos e meninas carinhosos que não são tocados na escola, no ônibus, no supermercado”.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.