Tamanho do texto

O vírus, que estava concentrado na região de Xangai, se espalhou para Fujian no final de abril

Mais quatro pessoas morreram na China em consequência da nova cepa da gripe aviária, elevando para 31 o número de mortes causadas pelo misterioso vírus H7N9. O número de infecções cresceu de dois para 129, de acordo com autoridades chinesas de saúde.

Mulher usando máscara passa em frente a um restaurante KFC, em Xangai
Aly Song / Reuters
Mulher usando máscara passa em frente a um restaurante KFC, em Xangai

Entre as mortes, duas aconteceram na província oriental de Jiangsu, a terceira no leste de Zhejiang e a quarta no centro de Anhui, segundo uma análise da Reuters, baseada em dados fornecidos pelas autoridades sanitárias nesta segunda-feira. O governo não forneceu mais detalhes sobre as vítimas.

As autoridades de saúde informaram que duas novas infecções foram relatadas na província costeira de Fujian. O vírus, que estava principalmente concentrado na região da capital comercial de Xangai, se espalhou para Fujian no final de abril.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) com sede em Genebra disse que não há nenhuma evidência de que a nova cepa da gripe aviária, que foi detectada pela primeira vez em pacientes na China em março, é facilmente transmissível entre humanos.

Os cientistas chineses confirmaram que a cepa H7N9 tem sido transmitida aos seres humanos por meio de frangos, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que 40% das pessoas infectadas com o H7N9 parece não ter tido contato com aves.

O chefe dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos disse que a atual cepa da gripe aviária não pode desencadear uma pandemia em sua forma atual - mas acrescentou que não há garantia de que o vírus não irá sofrer uma mutação e causar uma pandemia grave.

* Por Sui-Lee Wee

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.