Tamanho do texto

Arábia Saudita confirma mais dois novos casos do coronavírus no país e diz que as precauções para evitar que as infecções se alastrem já foram tomadas

Uma enfermeira do hospital que abriga o primeiro e único caso confirmado da nova SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave, nova cepa do coronavírus) na França foi hospitalizada com suspeita de ter sido infectada, informaram as autoridades de saúde francesas.

Hospital abriga os 3 casos franceses da nova cepa do coronavírus causador da SARS
REUTERS/Pascal Rossignol
Hospital abriga os 3 casos franceses da nova cepa do coronavírus causador da SARS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou o para 33 o número de casos confirmados em todo o mundo depois que a Arábia Saudita informou que duas pessoas que haviam sido internadas em abril receberam confirmação por laboratório que estavam infectadas pelo coronavírus.

Até o momento não há evidência comprovada da transmissão do coronavírus entre humanos, mas especialistas em saúde estão preocupados com o aparecimento de possíveis novos casos, que começaram no Golfo (Oriente Médio) e se espalharam para a França, a Grã-Bretanha e Alemanha.

Duas pessoas que tiveram contato com o paciente francês infectado, um homem de 65 anos que adoeceu após voltar de Dubai, foram internadas na noite desta quinta-feira.

Um deles é um paciente que, no final de abril, compartilhou quarto com o infectado em uma enfermaria quando estava em um hospital na cidade de Valenciennes, norte da França. O outro é o médico que fez o tratamento.

O paciente de 65 anos que está em uma situação grave, porém estável, foi transferido para uma ala isolada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Douai, perto de Lille, onde o terceiro caso apareceu. Ele foi transferido para Lille nesta quinta-feira à noite.

"Nós identificamos o caso da noite para o dia. A rapidez corresponde às investigações que estamos desenvolvendo desde que tivemos nosso caso de coronavírus confirmado", disse Sandrine Kueny, vice-diretora da agência de saúde regional.

A enfermeira trabalhava na unidade de infectologia do hospital, mas não ficou claro se ela teve contato direto com o doente.

O coronavírus é da mesma família viral que a gripe comum, e foi o responsável pelo surto de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) que, no final de 2003, se disseminou pelo mundo a partir da Ásia - matando 775 pessoas.

Fornecendo detalhes sobre os dois novos casos na Arábia Saudita, o ministro da saúde saudita, Ziad Memish, disse em um e-mail para o ProMED (sistema de monitoramento online de doenças) que um estudo dos casos reportados anteriormente e a repetição dos testes nos suspeitos de infecção identificou dois casos adicionais nesta quarta-feira, 8 de maio.

O primeiro paciente é um homem de 48 anos, com várias condições médicas prévias, que adoeceu no dia 29 de abril. Segundo a OMS, a condição dele é estável.

O segundo paciente é um homem de 58 anos, com problemas médicos preexistentes, que ficou doente dia 6 de abril. Ele se recuperou totalmente e recebeu alta do hospital no último dia 3 de maio.

Memish acrescentou por e-mail que as ações tomadas pelas autoridades sauditas desde 1º de maio tinham impedido que novos casos surgissem.

Desde o início de maio, 15 pacientes tiveram casos confirmados do surto na Arábia Saudita e 7 deles morreram, disse a OMS. Dos 15 pacientes, 12 eram homens e 3 mulheres. A faixa etária dos pacientes infectados é de 24 a 94 anos.

Autoridades francesas recomendam que qualquer pessoa que tenha viajado recentemente para a região do Golfo consulte um médico em caso de febre.

* Por Pierry Savary

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.