Tamanho do texto

Um terço das pessoas diagnosticadas com câncer na garganta foi infectado com uma forma do vírus HPV, sugere um estudo

BBC

O HPV (papilomavírus humano) é a principal causa de câncer cervical, e o vírus é conhecido por se espalhar através do contato genital ou oral.

Vacina contra o HPV poderá ajudar na prevenção de câncer de garganta
AP
Vacina contra o HPV poderá ajudar na prevenção de câncer de garganta

Especialistas dizem que um estudo no periódico Journal of Clinical Oncology , que quantifica a ligação entre o vírus e a doença, mostrou "resultados impressionantes". Existem mais de 100 tipos de HPV. A maioria das pessoas serão infectadas pelo HPV em algum momento, mas na maior parte o sistema imunológico oferecerá proteção.

Existem duas estirpes de HPV que são mais susceptíveis de causar câncer - HPV-16 e HPV-18. HPV-16 é supostamente responsável por cerca de 60% dos casos de câncer do colo do útero, 80% dos casos de câncer no ânus e 60% dos cânceres orais.

Cerca de 1.500 pessoas são diagnosticadas com câncer de garganta a cada ano no Reino Unido, com cerca de 470 mortes em decorrência da doença.

Benefício da sobrevivência

Este estudo analisou a ligação do HPV com câncer do fundo da garganta - câncer de orofaringe. Foram observados os resultados dos testes de sangue coletados de pessoas que participaram de um grande estudo prospectivo em estilo de vida e câncer, que eram todos saudáveis no início.

Todos cederam uma amostra de sangue, quando participam do estudo, e, neste caso, os pesquisadores foram capazes de verificar a presença de anticorpos contra uma das principais proteínas do HPV - o E6. O E6 derruba parte do sistema de proteção das células que deveria prevenir o desenvolvimento de câncer.

Ter os anticorpos significa que o HPV já superou este sistema de defesa e provocou alterações - que podem ser cancerígenas - nas células.

Os pesquisadores compararam os resultados dos testes de sangue - alguns realizados há mais de 10 anos - de 135 pessoas que desenvolveram câncer de garganta com o de 1.599 pessoas sem câncer.

A equipe da Universidade de Oxford constatou que 35% das pessoas com câncer na garganta tinham os anticorpos, em comparação com menos de 1% das pessoas que estavam livres do câncer. No entanto, esses pacientes eram mais propensos a sobreviver ao câncer de garganta do que as pessoas cuja doença tinha outras causas, como uso de álcool ou tabaco.

O estudo constatou que 84% das pessoas com os anticorpos ainda estavam vivas cinco anos após o diagnóstico, em comparação com 58% daqueles sem os anticorpos.

Efeito mais amplo?

A doutora Ruth Travis, cientista do Cancer Research UK, em Oxford, que trabalhou no estudo, disse: "Esses resultados surpreendentes fornecem alguma evidência de que a infecção por HPV-16 pode ser uma importante causa de câncer de orofaringe".

Sara Hiom, diretora de informação de saúde do Cancer Research UK, disse: "O HPV é um vírus extremamente comum. Praticar sexo seguro pode reduzir o risco de contrair ou transmitir o HPV, mas preservativos não conter as infecções por completo."

Ela acrescentou: "Se a vacina contra HPV também pode proteger contra infecções de HPV oral e câncer, então ele poderia ter um potencial efeito protetor mais amplo, mas não temos pesquisa suficiente ainda para nos dizer".

Leia mais notícias de saúde

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.