Tamanho do texto

Comprimidos com sensores eletrônicos e adesivo colado no braço prometem ajudar pacientes com doenças crônicas

Sensor envia mensagem para adesivo e, de lá, segue para app em tablet
Divulgação
Sensor envia mensagem para adesivo e, de lá, segue para app em tablet

Uma empresa americana criou um medicamento que avisa médicos e familiares quando é ingerido.

A tecnologia, desenvolvida pela companhia de saúde digital Proteus, baseada na Califórnia, tem como objetivo ajudar no tratamento de pacientes com doenças crônicas, que precisam tomar remédios regularmente.

"Seres humanos não são robôs e, quando têm de tomar remédios ou fazer outras coisas que requerem muita rotina, sempre acham difícil", diz Andrew Thomson, diretor da Proteus.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 50% das pessoas não tomam medicamentos corretamente, ao passo que 50% dos remédios não são prescritos ou vendidos adequadamente.

A Proteus pretende disponibilizar comprimidos com um sensor eletrônico embutido. Quando o medicamento chega ao estômago, envia uma mensagem a um adesivo colado ao braço do paciente e, de lá, segue em forma de alerta para um celular, tablet ou PC.

Thomson explica que o sensor funciona como uma "bateria de batata".

Leia também:
Médicos testam tecnologia de videogame em mesas de cirurgia
Bisturi experimental diz ao cirurgião se o tecido é canceroso
Nasa convida brasileiro para apresentar medicina do futuro

"Se você colar um pedaço de cobre e um de magnésio em uma batata e conectá-los, é possível acender uma lâmpada", diz ele.

Segundo Thomson, isso é possível por um princípio da química que diz que dois metais diferentes conectados em uma solução iônica, como a batata, criam uma carga elétrica.

"O que fizemos foi unir dois minerais presentes na dieta de qualquer pessoa – cobre e magnésio -, colocá-los em um grão de areia que tem menos de milímetro quadrado e combiná-lo ao medicamento".

O chip comestível ao lado de um pin dá a ideia de seu tamanho
Divulgação
O chip comestível ao lado de um pin dá a ideia de seu tamanho

Ao ser engolido, o sensor entra em contato com os ácidos gástricos, que são um meio iônico capaz de criar a voltagem necessária para ativá-lo. O chip, então, entra em contato com o adesivo, que também monitora sinais vitais do paciente, como movimento e sono.

O adesivo, por sua vez, envia todas as informações para um aplicativo localizado em um sistema de computação em nuvem que pode ser acessado por profissionais de saúde e parentes por meio de seus telefones e computadores.

A aplicação também controla os efeitos dos remédios, avaliando se a dosagem está correta ou se está surtindo efeito.

A tecnologia está sendo testada na Grã-Bretanha na rede de farmácias Lloyds. Pacientes recebem uma cartela de remédios, sendo que um dos comprimidos contém o sensor.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.