Tamanho do texto

Professor da USP alerta que embora o efeito da poluição seja em menor grau que do cigarro, ela afeta mais pessoas

Recentemente uma pesquisa nos Estados Unidos mostrou que mulheres expostas a altos níveis de poluição têm duas vezes mais chance de ter filhos com autismo do que aquelas que não sofreram exposição. Com o resultado do trabalho, feito pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, o autismo se soma à lista de males à saúde causados pela poluição.

Leia mais:  Poluição eleva risco de infarto, apendicite e até infertilidade

Exposição à poluição durante a gravidez aumenta chances de criança nascer com autismo
Getty Images
Exposição à poluição durante a gravidez aumenta chances de criança nascer com autismo

“Sabe aquela lista de doenças que você vê estampada nos maços de cigarros como infarto, acidente vascular cerebral, câncer de pulmão, complicações na gravidez. Então todas elas a poluição também causa, porém em uma escala menor”, afirmou ao iG Paulo Saldiva, professor de patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e do Laboratório de Poluição Atmosférica da mesma instituição.

Problemas graves: Poluição atmosférica deprime e reduz capacidade de aprender

Saldiva alerta, no entanto, que embora seja em menor grau, os efeitos da poluição afetam mais pessoas. “A questão é que no Brasil 10% a 15% da população é fumante. No caso da poluição do ar todo mundo está exposto. Ninguém escapa”.

Atualmente consequências da poluição do ar como doenças cardiorrespiratórias e câncer do pulmão são responsáveis por 4.655 mortes na cidade de São Paulo, segundo o estudo Avaliação do Impacto da Poluição Atmosférica no Estado de São Paulo Sob o Ponto de Vista da Saúde do Instituto Saúde e Sustentabilidade, que será publicado no dia 23 de setembro. “Este número é três vezes maior do que o de as 1.556 mortes causadas por acidente de trânsito no mesmo período”, afirmou ao iG Evangelina Vormittag, médica e diretora-executiva do Instituto Saúde e Sustentabilidade.

A estimativa do estudo é que a poluição seja responsável pela redução de 1,5 anos de vida na região metropolitana de São Paulo, com um custo que varia, dependendo da metodologia utilizada, de centenas de milhões de reais a até mais de um bilhão por ano. “A solução é mais transporte público e a substituição da frota a diesel. Ela é 10% do total de veículos e gera 50% da poluição”, afirmou Saldiva. Ainda segundo dados da pesquisa do Instituto Saúde e Sustentabilidade, caso todos os ônibus a diesel passassem a usar etanol, haveria redução de 4.588 casos de internação hospitalares e 745 casos de morte por ano, o que equivale à diminuição dos gastos públicos em US$ 1,4 bilhão por ano.

Leia também:
Poluição está mudando infância de crianças chinesas
Poluição de ozônio em São Paulo é a pior da década

Se nada for feito, porém, a situação só tende a piorar. Segundo relatório da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), a poluição por material particulado e ozônio será a principal causa de morte relacionada ao meio ambiente no mundo até 2050, caso providências não sejam tomadas. “O problema é que nos ensinaram a vida toda que o transporte público não funciona então a mensagem acaba sendo: vá de carro”, afirma Saldiva.

Pode-se, porém, mitigar um pouco as consequências da poluição com atitudes razoavelmente simples. “Uma pessoa que vá de bicicleta e outra de carro, por exemplo, de casa para o trabalho. É melhor ir de bicicleta, pois irá respirar menos poluição.”, afirmou Saldiva. A explicação é simples: o carro é um local fechado que dificulta a dispersão dos poluentes enquanto na bicicleta, além da maior dispersão, o tempo de deslocamento acaba, em geral, sendo menor.

Fazer exercícios em meio a poluição, como caminhar ou correr em uma grande avenida, pode parecer um contrassenso, mas, no final, é melhor do que não fazer atividade física nenhuma. “Os benefícios para a saúde superam os riscos de se respirar o ar poluído. Agora se puder correr ou andar em um local com menos movimento de carros é melhor.”, explicou Saldiva.

Evitar os males causados pela poluição em uma cidade como São Paulo, a maior do Brasil, é complicado. “Individualmente é muito difícil. E, se a pessoa estiver entre as camadas menos favorecidas, vai respirar mais poluição, pois geralmente mora longe do trabalho e não pode rescalonar o horário de trabalho.”, afirmou Saldiva. E completou: “De forma geral, o que, em tese, você poderia fazer para melhorar as suas condições em relação à poluição a sua genética já fez por você, dando uma maior resistência ou não”.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.