Tamanho do texto

Após 7 anos da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra, 41% das mulheres negras com mais de 40 anos nunca fizeram mamografia, contra 26% das brancas

"Em praticamente todos os indicadores de saúde, a população negra tem desvantagem. Entre eles, mortalidade infantil, violência, mortalidade materna". A avaliação é do médico Rui Leandro da Silva, integrante do Comitê Técnico de Saúde da População Negra do Ministério da Saúde, que participou da audiência da Comissão de Seguridade Social que debateu o tema nesta terça-feira na Câmara.

O panorama de desigualdade foi reforçado pelos dados apresentados pela secretária de Políticas de Ações Afirmativas da Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) governo federal, Angela Maria de Lima Nascimento.

Índice de negras que fizeram mamografia é metade do de brancas que passaram pelo exame
Getty Images
Índice de negras que fizeram mamografia é metade do de brancas que passaram pelo exame

Segundo a secretária, 41,5% das mulheres negras com mais de 40 anos nunca fizeram mamografia - contra 26,7% das mulheres brancas com a mesma idade. A desigualdade se estende aos exames de colo de útero (18,4% das mulheres negras nunca fizeram, contra 13% das mulheres brancas).

Rui Leandro lembrou que 70% dos negros dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS). O médico acrescentou que passados sete anos da aprovação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra, apenas metade dos estados e seis capitais possuem comitês voltados à aplicação dessas ações. "É uma política que não depende só do Ministério da Saúde. Já houve avanço, obviamente que não é tudo aquilo que a população negra precisa e solicita. Tivemos vários avanços e temos estratégias, mas é necessário que isso também repercuta nos estados e municípios, onde realmente as ações acontecem", afirmou Rui Leandro.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.