Tamanho do texto

Pesquisadora, que analisou 27 trabalhos científicos sobre a autocura, explica como a oração e outras práticas podem ajudar o paciente a lidar e até se livrar de uma doença

Estudos mostram que reza e pensamento positivo podem ajudar o sistema imunológico a combater doenças
Thinkstock Photos
Estudos mostram que reza e pensamento positivo podem ajudar o sistema imunológico a combater doenças

A cura de doenças pode estar além do tratamento convencional que abrange diagnóstico e o combate de sintomas por remédios. A chamada autocura ainda luta por legitimidade na saúde pública, mas pesquisas científicas mostram bons resultados referentes a práticas de meditação, reiki, acupuntura, quiropraxia, massagem, homeopatia e também a oração.

Um estudo realizado nos Estados Unidos comparou 2 mil pessoas que meditavam com 600 mil que não meditavam. Observou-se uma redução de 63% dos gastos com saúde no grupo que meditava, havendo 11,4 vezes menos internações hospitalares por doenças cardiovasculares , 3,3 vezes por câncer.

A fisioterapeuta e acupunturista Fernanda Catarucci defendeu recentemente sua dissertação de mestrado na Faculdade de Medicina de Botucatu (SP) sobre as práticas chamadas como autocura. No estudo, ela analisou 27 pesquisas publicadas em revistas científicas internacionais de 2000 a 2012.

Leia entrevista abaixo.

Estudo de Fernanda Catarucci mostrou que prática de autocura reduz gastos da saúde pública e a incidência de doenças graves
Arquivo pessoal
Estudo de Fernanda Catarucci mostrou que prática de autocura reduz gastos da saúde pública e a incidência de doenças graves

iG: Por que mesmo apresentando resultados e reduzindo custos na saúde pública a autocura é tão pouco difundida ou utilizada?
Fernanda: Existe uma questão histórica. As chamadas práticas complementares integrativas só passaram a ser aceitas pela OMS a partir de 2004. É muito recente, embora estas práticas sejam muito mais antigas que a nossa medicina tradicional. A ayuveda e a medicina tradicional chinesa têm mais de cinco mil anos. Aqui no Brasil, estas práticas só começaram a serem vistas como possibilidade de estudo a partir de 2006, quando nasceu a política nacional de práticas integrativas e complementares. Esta foi a primeira vez que se criou uma política para tentar estudar e compreender como estas práticas estavam atuando já nos postos de saúde.

iG: Práticas como meditação, yoga, quiropraxia contribuem na manutenção da saúde em pessoas já saudáveis. Elas atuam também em doentes?
Fernanda: As práticas de autocura se diferenciam da medicina tradicional. Enquanto a medicina tenta resolver o sintoma da doença, as práticas de autocura trabalham tentando fortalecer o terreno biológico para que o próprio corpo possa combater a patologia. É uma atuação no sistema imunológico. Uma mente mais tranquila e com menos pensamento negativo, faz com que as células trabalhem num metabolismo mais equilibrado e produzindo hormônios e enzimas de forma mais adequada. No final, a pessoa acaba tendo um sistema imunológico mais forte.

iG: Como isso acontece cientificamente?
Fernanda: O nosso sistema nervoso atua com receptores periféricos e receptores musculares. A maior parte do nosso corpo é formada por células musculares. A gente têm órgãos como coração, fígado, intestino, mas basicamente todos estes sistemas são uns amontoados de células musculares. Então funciona assim: quando a pessoa tem um pensamento positivo, ou visualiza algo bom, cheira algo que traz uma lembrança positiva, ela traz uma resposta motora para todas estas células que tem na musculatura. Isso faz com a musculatura trabalhe em relaxamento (e não numa situação de estresse em que precisa se proteger) e aí o corpo não precisa gastar tanta energia. Ele consegue usar a energia que tem para exercer as próprias funções, como o batimento cardíaco, a digestão... Quando estamos com pensamento muito negativo, o corpo fica preparado para se proteger de algo. Ele gasta muita energia e muito tempo para fazer esta proteção e acaba não conseguindo executar a função dele. Desta forma, o sistema imunológico cai.

iG: Isso vale também para as orações?
Fernanda: Sim. Na oração e na religião, além de toda essa questão da esperança que faz com que as células trabalhem de forma mais equilibrada, ainda tem a questão da identificação com o grupo, com essas pessoas que lhe darão forças para que o paciente combata esta patologia. Mas não é preciso ter uma religião para desenvolver a espiritualidade ou para buscar estímulos positivos na sua vida. As pessoas confundem muito. A oração e a religião são apenas mais uma forma de conseguir isso. O ateu pode ter uma vida equilibrada em um ambiente que se sinta acolhido e que não seja necessariamente uma igreja.

iG: O que os estudos científicos mostram a respeito da prática da meditação?
Fernanda: Temos vários estudos sobre a ação da meditação e as áreas do cérebro que ela consegue ativar e também a relação da meditação com os hormônios. O sistema hormonal é totalmente dependente do nosso estado de ânimo. Isso acontece porque a célula que coordena todo o nosso sistema hormonal, que é a hipófise, recebe mensagem do hipotálamo que é uma região no cérebro que controla as nossas emoções. Existe uma área da medicina, chamada de epigenética, que estuda quanto o ambiente externo influencia na ativação dos genes. Na nossa carga genética, trazemos as tendências que serão ativadas de acordo com o ambiente que vivemos. Logo, se estou num ambiente agradável vou ativar alguns genes, se estou num ambiente com muito estresse, vou ativar genes ligados a doenças.

iG: Esta relação da mente com o sistema hormonal e a epigenética explicariam o aumento percentual das doenças crônicas?
Fernanda: As pessoas hoje não morrem mais de infecções por vírus e bactéria. O nosso problema nos dias de hoje são as doenças crônicas como câncer, diabetes, doença cardiovasculares e hipertensão. A gente vai precisar descobrir o que causa esse desconforto para o corpo para que ele possa se reestruturar e se autocurar. Os tratamentos que temos hoje no ocidente são baseados em medicamentos que nem sempre a gente consegue uma resposta e, se consegue uma resposta, o paciente fica dependente do medicamento para sempre.

iG: O seu estudo mostrou que mulheres com mais de 50 anos e de alta escolaridade são as que mais utilizam a autocura. Você sabe identificar o motivo?
Fernanda: As pessoas tinham a ideia de que quem procurava a autocura eram pacientes com baixa escolaridade e que não tinham conhecimento do assunto. O meu estudo quebrou isso. Quem busca a autocura lê muito, entende muito sobre o assunto e está buscando conscientemente estes tratamentos alternativos. Sobre o fato de serem mais mulheres, eu acredito o motivo esteja no fato de as mulheres serem mais abertas que os homens para este tipo de discussão. Os homens precisam mostrar que são muito fortes e estas terapias trabalham muito com a questão da sensibilidade, uma coisa que, em nossa cultura, os homens ainda precisam caminhar mais.

iG: Tem um ditado africano que diz "Reze, mas mexa os pés". Qual é o equilíbrio entre a fé e o tratamento?
Fernanda: Quando a gente fala em autocura, as pessoas pensam que é só ir lá orar e acabou. Mas, não é simplesmente assim, é preciso trabalhar todos os campos da mente e do corpo também. A saúde está alicerçada em vários pilares. A oração ajuda muito, mas sozinha não consegue trabalhar isto tudo. O que adianta um diabético rezar, rezar e rezar se, quando chega em casa, toma uma garrafa de refrigerante? Se a pessoa tem um problema cardíaco, o reike vai funcionar para acalmar a mente, mas se o corpo não é trabalhado, vai ficar tudo desequilibrado. O equilíbrio está em observar, compreender os alimentos e ambientes que fazem mal. A mesma coisa vale para a medicina tradicional. Observar quais são os tratamentos que estão me fazendo bem e quais são aqueles que estão me trazendo mais efeitos colaterais que benefícios.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.