Tamanho do texto

Ao mesmo passo em que os famosos podem arrebanhar multidões em campanhas de saúde pública, eles também podem aconselhar os fãs erroneamente – e prejudicá-los

Gisele Bündchen é contra o protetor solar por ser um produto sintético, opinião contrária à da Sociedade Brasileira de Dermatologia, que recomenda o uso para prevenção do câncer de pele, o mais comum no Brasil
Reprodução
Gisele Bündchen é contra o protetor solar por ser um produto sintético, opinião contrária à da Sociedade Brasileira de Dermatologia, que recomenda o uso para prevenção do câncer de pele, o mais comum no Brasil


Por serem alvos de admiração (quando não de adoração), tudo o que as celebridades dizem costuma virar lei na cabeça do fã. Muito bom quando o conselho é acertado, mas e quando o que sai da boca do famoso contraria o que a Medicina diz e pode prejudicar a saúde da população?

Uma pesquisa publicada nesta semana no periódico British Medical Journal analisou dados de diversos meios eletrônicos e mostrou que, quando se trata de saúde, as celebridades já fizeram participação importantes em campanhas, mas também já cometeram deslizes bem sérios. Alguns até bizarros.

O apresentador britânico Michael Parkinson, por exemplo, informou publicamente que a forma de saber que o homem não tem câncer de próstata é conseguir fazer xixi a uma distância de cerca de 60 centímetros de um muro – e atingi-lo. Recomendação sem qualquer embasamento médico, já que o que se recomenda é que todos os homens a partir de 45 anos façam consultas regulares a um urologista.

A atriz Suzanne Somers divulga tomar hormônios que previnem o envelhecimento e fazer uma terapia com enzima que combateria o câncer de pâncreas, duas práticas sem qualquer comprovação científica.

No Brasil também existem casos célebres: a top model Gisele Bündchen, por exemplo, declarou não usar protetor solar, por não concordar com produtos sintéticos. Acontece que a proteção solar é considerada de suma importância pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e uma das armas na prevenção do câncer de pele. A top diz não se expor ao sol nos horários em que a radiação estaria mais alta, porém, os seguidores desavisados podem não seguir essa regra – que a mantém segura - e serem prejudicados.

Outro exemplo é a ex-paquita Andréia Sorvetão, que recentemente fez apologia ao uso da testosterona para melhorar o ânimo, prática que é considerada duvidosa. "A testosterona só pode ser usada se a pessoa tiver deficiência. Caso contrário, é totalmente contraindicado. É um anabolizante totalmente proibido, faz mal para o coração e, no caso da mulher, ela vai começar a ter pelos onde não tinha, aparecer barba, a voz vai mudar, o clitóris vai crescer", explica Henrique Suplicy, endocrinologista membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. 

Em quem eu confio mais?

Segundo o estudo, as pessoas ficam confusas quando encontram informações que se contradizem entre si – sejam elas de profissionais de saúde, amigos, família ou até mesmo online. Com a confusão, elas naturalmente tendem a se apegar à informação que parece ter mais credibilidade e, é aí, que os conselhos dos famosos ganham crédito. 

Daí a importância da participação das celebridades em campanhas organizadas pelos programas de saúde pública e com grande alcance de público. O estudo traz algumas dessas iniciativas. 

Um exemplo de divulgação positiva foi quando a jornalista norte-americana Katie Couric televisionou sua própria colonoscopia, atitude que levou ao aumento de 21% da procura pelo exame que detecta câncer colorretal. Na Austrália, a atriz e cantora Kylie Minogue levou a público que estava com câncer de mama e houve um aumento de 40% das mamografias em quatro estados daquele país. 

Nos casos dos conselhos equivocados, alerta o estudo, cabe aos profissionais da saúde enxergarem o fato como uma oportunidade de esclarecer e aconselhar o paciente a sempre procurar informações de fontes provenientes da área da saúde.

"O ideal não é seguir os conselhos das celebridades, e sim cada pessoa ter um médico de confiança e sempre discutir com ele antes de entrar em qualquer uma dessas modas", explica Fernanda Brandão Uliana Pulzi, endocrinologista membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Um caso comum, ela explica, acontece nas academias, em que um vai indicando um produto para o outro, como hormônios de crescimento, testosterona, insulina e outros tantos, com a intenção de aumentar a massa muscular. "Cada paciente tem um risco específico para cada medicação. Alguns vão sofrer ainda mais que os outros", conclui.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.