Tamanho do texto

Usuários de apps como o ´Grindr´ e o ´Scruff´ estão mais propensos a serem diagnosticados com gonorreia e clamídia

Reuters

Pessoas que utilizam esses apps são 25% mais propensas a ter um resultado positivo para doenças
Thinkstock/Getty Images
Pessoas que utilizam esses apps são 25% mais propensas a ter um resultado positivo para doenças

Os homens gays e bissexuais que usam aplicativos de celular para encontrar parceiros enfrentam maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), sugere um novo estudo.

Na revista Sexually Transmitted Infections , os autores relatam que os usuários desses aplicativos estavam mais propensos a serem diagnosticados com gonorreia e clamídia do que aqueles que usavam outras formas para encontrar um parceiro.

Saiba mais sobre a pesquisa, os métodos utilizados e as conclusões (em inglês)

"Queremos que os riscos e benefícios de qualquer nova tecnologia sejam conhecidos", disse o autor Matthew Beymer, epidemiologista do Centro LGBT de Los Angeles. "Queremos que os homens gays e bissexuais se amem com segurança e cuidado", acrescentou.

Leia também:
HIV: novo protocolo beneficia crianças e adolescentes
Conheça fatos importantes sobre a disseminação da AIDS
Saiba como é feito o teste de sorologia de HIV

Com sua equipe, ele publicou que aplicativos como o Grindr e Scruff são cada vez mais populares entre a comunidade gay e bissexual desde 2009. Esses aplicativos utilizam o GPS dos celulares para encontrar outros usuários próximos. Existem produtos semelhantes para a população heterossexual e lésbica.

iGAY: saiba mais sobre o Grindr
Joel Simkhai, criador do app: "Sei que é complicado conhecer outros homens"
Fuja de ciladas na hora de se encontrar com alguém do Grindr
Usuários do Grindr trocam 7 milhões de mensagens por dia

Método e resultados

Os autores compararam as taxas de DSTs entre homens que utilizavam diferentes tipos de redes sociais, como aplicativos, além de sites online e encontros presenciais. Eles reuniram dados de 7.184 homens tratados na clínica entre agosto de 2011 e janeiro de 2013.

Os usuários de aplicativos eram 25 por cento mais propensos a obter um resultado positivo para gonorreia do que os homens que conheciam outros homens pessoalmente.

Leia também:
Nova lei torna crime discriminar pessoas com HIV e doentes de Aids no Brasil
Aids: de sentença de morte a uma doença tratável
Casais gays contam como é a vida sexual e afetiva com um parceiro HIV positivo

Eles também tinham 37 por cento mais probabilidade de serem diagnosticados com infecção por clamídia que os que conheciam seus parceiros sexuais em encontros presenciais.

Não houve diferença entre os grupos para o risco de receber um diagnóstico positivo de HIV e sífilis. Para Beymer, isso pode ter acontecido porque durante o estudo não houve uma quantidade suficiente desses diagnósticos para permitir uma associação com os aplicativos de celular.

Acompanhe mais notícias sobre Saúde
Siga o iG Último Segundo pelo Twitter

Saiba quem são os "vulneráveis" ao HIV :

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.