Tamanho do texto

É preciso incentivar mulheres com depressão a procurar ajuda e médicos devem questionar mais pacientes durante consulta

Mulheres até 55 anos são mais propensas a ter depressão
Getty Images
Mulheres até 55 anos são mais propensas a ter depressão

A depressão, de fato, faz mal ao coração. Mulheres de até 55 anos estão duas vezes mais propensas a ter um ataque cardíaco, morrer ou necessitar de um procedimento de abertura da artéria caso sofram de depressão séria ou moderada, afirma estudo da Associação Americana de Cardiologia.

"As mulheres dessa faixa etária também são mais propensas a ter depressão, então isso pode ser um dos fatores de risco 'escondidos' que podem ajudar a explicar por que mulheres morrem em uma taxa desproporcionalmente maior do que os homens depois de um ataque de coração", disse Amit Shah, professor da Universidade de Emory e autor do estudo.

Leia também: 
Índice de transtorno de ansiedade e depressão em SP é igual a de país em guerra
'Ninguém leva minha depressão a sério'

O estudo afirma que médicos precisam fazer mais perguntas, já que mulheres até 55 anos são mais vulneráveis à depressão. 

Na pesquisa, foram avaliados os sintomas de depressão em 3.237 pessoas com doença de coração ou com suspeita de doença. Os resultados mostraram que em mulheres com até 55 anos, cada pontuação nos sintomas de depressão foi associada ao aumento de 7% no risco de ter doença cardíaca. Homens e mulheres mais velhos não mostraram relação entre sintomas de depressão e presença de doença cardíaca.

Shah afirma que a depressão precisa ser levada mais a sério. "A depressão em si já é motivo para buscar tratamento, saber que ela está associada a um risco aumentado de doença cardíaca e morte deve motivar ainda mais as pessoas a procurarem ajuda.", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.